Bolsonaro encurvado

Em um momento decisivo, no Dia D contra a pandemia, presidente achata a própria curva e se mostra diminuto

É a hora de 'achatar a curva'. A expressão, que acertadamente está sendo repetida à exaustão ao longo da semana, é clara: vivemos um momento decisivo para evitar que a pandemia do novo coronavírus tenha um boom no número de casos -- e de mortes, principalmente aflingindo idosos -- no Brasil dentro das próximas duas semanas. Nesse período, em que a precaução e as medidas adotadas hoje vão ser determinantes para salvar vidas amanhã, todo dia é o 'Dia D' -- em alusão a uma das mais decisivas batalhas da Segunda Guerra Mundial, travada no ano de 1944, com tropas aliadas derrotando forças nazistas na Normandia, começando assim a escrever, nas areias de Omaha e de outras praias francesas banhadas pelas águas do Altântico, um novo e decisivo capítulo no sangrento confronto planetário.

Mas que curva é essa?

Segundo especialistas e autoridades sanitárias, o pico da doença no Brasil deve acontecer entre abril e maio, colocando em risco o sistema de Saúde, que, de acordo com o ministro Luiz Henrique Mandetta, pode colapsar.

O novo coronavírus tem período de incubação de 14 dias e, por isso mesmo, a falta de prevenção hoje vai cobrar um preço alto daqui duas semanas. Simples.

Por esse motivo, de forma acertada e em consonância com o que está sendo adotado em países ao redor do globo, com base científica e não baseada em achismos de botequim, estados decidiram adotar a quarentena -- é o que foi feito, por exemplo, em São Paulo, onde o período de isolamento vai seguir até o próximo dia 7.

A quarentena é uma medida que -- com base na análise do que deu resultado em outros países, inclusive na China, país onde o vírus se originou -- salva vidas.

E toda vida importa.

Municiado por seu gabinete do ódio, Jair Bolsonaro (sem partido e sem capacidade cognitiva para liderar) perdeu uma grande oportunidade na noite da última terça, quando falou à Nação.

Ao invés de falar aos brasileiros sobre a necessidade do 'achatamento da curva' dos casos, a respeito da importância de adotar as medidas preventivas recomendadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde), o capitão mostrou que o Palácio do Planalto é hoje um navio fantasma que, absolutamente à deriva, ignora o farol da ciência e do conhecimento e segue, a toda velocidade, rumo aos rochedos da autodestruição.

Ao contrariar orientações médicas, usando argumentos primitivos, toscos e infantis, o presidente coloca irresponsavelmente em risco a vida de milhões e milhões de brasileiros. E como? Criando a fantasiosa dicotomia entre saúde e emprego, relativizando o valor da vida de pessoas com mais de 60 anos. Quanto vale a vida?

Nesta quinta-feira, na porta do Palácio da Alvorada, o presidente disse que o brasileiro -- que paga uma carga tributária altíssima -- devia cuidar da sua própria saúde e não ficar esperando que governantes façam isso.

Em um momento decisivo, com a chance de achatarmos a curva, Bolsonaro se apequenou. O vírus achatou o presidente, que insiste em cegamente conduzir o Brasil rumo ao abismo profundo..

 

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 8,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.