Logo Jornal OVALE

flvio, coaf e sigilo

Quebra de sigilo bancrio e fiscal de envolvidos dever ajudar a esclarecer caso que ameaa todo cl Bolsonaro

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) provocou calafrios entre seus aliados ao prever, sem dar mais detalhes, que um "tsunami" poderia surgir essa semana.

Ao que tudo indica, o tal tsunami teria relao com a medida provisria da reforma administrativa, que poder perder validade e, com isso, obrigar que o nmero de ministrios passe de 22 para 29.

No entanto, outra onda forte, que talvez no tenha sido prevista, atingiu em cheio o entorno do cl Bolsonaro essa semana: a descoberta de que, no fim de abril, o Tribunal de Justia do Rio de Janeiro autorizou a quebra de sigilo do senador Flvio Bolsonaro, filho do presidente, e do ex-policial militar Fabrcio Queiroz, ex-assessor de Flvio.

A quebra de sigilo bancrio foi autorizada no perodo que vai de janeiro de 2007 a dezembro de 2018. A Justia tambm autorizou a quebra do sigilo fiscal dos investigados, entre 2008 e 2018.

Desde o ano passado, essa histria, e no qualquer outro tsunami, que provoca calafrios na famlia Bolsonaro. Nos ltimos meses, j aconteceu quase de tudo: Queiroz j sumiu, j reapareceu, j sumiu de novo; Flvio j reclamou, esperneou, tentou barrar o processo no STF (Supremo Tribunal Federal)... S uma coisa no aconteceu at agora: nem Flvio e nem Queiroz foram capazes de dar uma explicao convincente sobre toda a movimentao suspeita descoberta pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

Uma curiosidade: logo antes de vir tona a notcia da quebra de sigilo, Flvio deu uma entrevista ao Estado para negar qualquer irregularidade e para alegar que o MPF (Ministrio Pblico Federal) o ataca para atingir o governo de seu pai. Em resposta, o MPF apontou que Flvio, a exemplo de Queiroz, ignorou todos os convites para prestar esclarecimentos sobre o caso.

No apenas ao MPF que Flvio precisa prestar esclarecimentos. ao Brasil todo. E no s ele, como todos os envolvidos. Vale ressaltar que at a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, chegou a receber um cheque de Queiroz.

Espera-se que a quebra dos sigilos traga mais luz ao caso. E que, se algum errou, seja punido. No importa quem seja. Afinal, o Brasil est acima de tudo, n?.