Especial

Estamos sós? GMT vai auxiliar a busca por vida em outros planetas

Isabela Sardinha e Giovanna Lavecchia -Publicado em 10/07/2021 às 02:52Atualizado há 27/08/2021 às 19:32
GMT (Damien Jemison / GMT)

GMT (Damien Jemison / GMT)

Você acredita em vida em outros planetas? Só na nossa galáxia, a Via Láctea existem em torno de 200 a 400 bilhões de estrelas. Os estudos apontam também para mais centenas de bilhões de galáxias em todo o universo. Então, será que, com um número tão vasto e tantas possibilidades, somente a Terra foi o planeta em que surgiu a vida? Só a nossa casa reúne condições de habitabilidade?

Cientistas apontam que são necessários requisitos específicos para que um planeta se torna uma 'zona habitável' (confira nesta página), e, embora haja um grande debate sobre vida universo afora, os equipamentos construídos até hoje não têm alcance suficiente para comprovação.

No entanto, o GMT (Telescópio Gigante Magalhães) promete revolucionar a observação especial -- e, consequentemente, nossa visão e compreensão do universo. "Ele [o telescópio] será a principal ferramenta para verificar esse tipo de pesquisa. Você acaba tendo um mapeamento de imagem inicialmente, observando a superfície, coloração", afirmou o mestre em Engenharia Aeroespacial Braulio Haruo.

"Existe uma discussão entre descobrir se um planeta possui água é suficiente para provar que pode haver vida, mesmo que seja em forma de bactérias ou microorganismos, ou de fato ir lá e pegar uma amostra, verificar que existe vida. Essa segunda condição é um pouco mais difícil, porque há toda logística", explicou Haruo, que crê que em um futuro próximo haja tecnologia o suficiente para provas concretas a respeito do importante tema.

"Em muitos planetas vemos apenas a estimativa da superfície com base em imagens e cálculos, mas não sabemos do subsolo ou do interior, e muitas vezes esses microorganismos podem estar nesses locais", disse o engenheiro aeroespacial.

PROJETO.

O interesse por descobrir vida fora da Terra é antigo, e, desde a corrida espacial na Guerra Fria, o tema ganhou muito mais interesse e investimento internacional.

As pesquisas, atualmente, são bem otimistas.

O principal foco de atuação dos cientistas é em Marte, onde já foi confirmada a existência de água: em 2018, uma sonda enviada pelos cientistas da Agência Espacial Italiana 15 anos antes descobriu no polo norte de Marte um lago com cerca de 20 quilômetros que possui água líquida e perene.

Não se sabe ainda o volume de água que este lago possui, no entanto a descoberta aumenta as esperanças para aqueles que buscam vida em outros planetas.

"Marte não é somente um local com grande potencial, como também tem sido alvo de muita pesquisa em projetos ambiciosos com alto investimento de diversas agências espaciais", afirmou o astrônomo Rafael Kimura, que reforça a importância do GMT.

"Neste caso, as suas contribuições estariam voltadas para os chamados exoplanetas, ou seja, planetas que não estão no Sistema Solar. Uma das maiores contribuições de um telescópio desse porte, seria a possibilidade de obter dados da atmosfera de exoplanetas mais próximos, que, por sua vez, nos forneceriam informações sobre a composição química, a densidade e a temperatura desses corpos distantes", explicou.

E você, prezado leitor, acredita que estamos sós? 

Requisitos para uma zona habitável: 

1- O planeta deve reciclar carbono para produzir o efeito estufa que retém o calor e mantém a superfície habitável.

2- É necessário também Ozono, para bloquear os raios nocivos às espécies de vida.

3- O planeta necessita de pelo menos uma lua para estabilizar as oscilações de seu eixo.

4- Superfície diversificada para suportar diversas formas de vida.

5- Um Campo magnético para desviar tempestades solares.

6- Deve estar a uma distância adequada de uma estrela para que exista estado líquido na sua superfície. Além disso, a estrela o protege de detritos galáticos.

7- A estrela em que o planeta orbita deve ser estável e duradoura, pois algumas com mais massa que o Sol por exemplo, queimam seu combustível muito rápido e acabam se apagando, não dando tempo para os planetas se desenvolverem.

8- O planeta deve estar a uma distância segura dos planetas maiores, pois os grandes planetas possuem grande quantidade de gases em sua superfície, o que seria prejudicial.

9- É necessário que tenha planetas maiores ao seu redor, mesmo que com uma distância segura, para que eles o protejam de cometas, asteroides e outras coisas do espaço.

10- Deve possuir alguns elementos radioativos para poder alojar o núcleo dinâmico que estabiliza o planeta.

11-  A posição do planeta na galáxia também é muito importante para garantir uma órbita quase circular que o ajuda a evitar regiões perigosas dentro dela.

12- A localização do planeta não pode estar no meio de muitas estrelas, já que estas podem causar erupções de raios Gama, que causam abalos gravitacionais.

Leia o conteúdo especial:

- Editorial: OVALE dá voz ao conhecimento

- Com tecnologia de ponta, novo telescópio vai ajudar a ciência na busca de respostas sobre o universo

- Conexão em órbita: tecnologia dos satélites é decisiva para democratização da internet

- Redes sociais ajudam cientistas a compartilharem conhecimento com o público

- Comunicação e ciência: por que andam lado a lado?

- OVALELab.com Univap: ouça os podcasts sobre pesquisas espaciais

- Webinário OVALE discute a nova astronomia

Siga OVALE nas redes sociais
Copyright © - 2021 - OVALE
Todos os direitos reservados. | Política de Privacidade
Distribuído por:
Desenvolvido por: