Eleições 2020 e o desafio do emprego

É fato.

A retomada da economia em meio à pandemia vai dar trabalho, muito trabalho.

A geração de empregos, não à toa, está entre as principais promessas de candidatos a prefeito nas cidades da RMVale, ao lado do aprimoramento do sistema de saúde.

E qual a saúde da geração de vagas na região?

Reportagem de OVALE, publicada na superedição desta semana, revela um diagnóstico difícil, um raio-x do trabalho feito desde 2017, um desafio para os prefeitos que buscam a reeleição.

Vinte e dois dos 39 prefeitos da região voltam às urnas trazendo saldo negativo na geração de postos de trabalho, de acordo com informações oficiais do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia.

São José dos Campos é "lanterninha" na geração de empregos na RMVale no período entre janeiro de 2017 e agosto de 2020, com saldo (admissões menos demissões) de -8.627 vagas. Traduzindo a estatística oficial: o mercado de trabalho joseense em 2017 tinha 8.627 empregos com carteira assinada a mais do que hoje. O quadro, obviamente, foi agravado pela pandemia -- em 2020, São José fechou mais de 6.000 vagas. No entanto, o quadro já era negativo antes da Covid-19.

O total de postos perdidos durante a gestão Felicio Ramuth (PSDB) está bem acima do acumulado das 10 cidades cujos prefeitos também disputam a reeleição e têm saldo negativo de emprego: Ubatuba (-1.398 vagas), São Sebastião (-1.358), Jacareí (-1.012), Guaratinguetá (-717), Caraguatatuba (-709), São Luiz do Paraitinga (-453), Paraibuna (-363), Lavrinhas (-72), Silveiras (-44) e Arapeí (-7).

No ranking do Vale, Taubaté aparece logo após São José, com 4.777 empregos perdidos no segundo mandato de Ortiz Junior (PSDB). Aparecida aparece com -1.566 vagas fechadas desde 2017.

Como se vê, convencer o eleitor de que há projetos concretos para geração de empregos vai dar muito trabalho.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.