O mar recua antes do tsunami

O mar recua.

Deixando exposto o leito marinho, o mar recua. Dez minutos antes do tsunami, o mar recua. Como aconteceu em dezembro de 2004, quando ondas tsunâmicas varreram 13 países banhados pelo Oceano Índico e deixaram 230 mil vítimas, o recuo traiçoeiro do mar é visto até com curiosidade por banhistas que divertem-se nas areias da praia, sem imaginar a tragédia que aponta no horizonte.

O mar recua.

Depois das duas primeiras semanas de isolamento, o mar recua. Dez ou 15 dias antes do pico do novo coronavírus, o mar recua. Diante da maior crise global desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), é perceptível a olho nu que, infelizmente, há um recuo, um afrouxamento no isolamento social recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e demais autoridades sanitárias.

Há um mar de gente.

As ruas não estão vazias. Ou não é fácil encontrar parques cheios? Não há filas em supermercados? Estamos livres dos pontos de aglomeração? Um exemplo?

Há um mar de gente.

Após a Justiça determinar a liberação do cartão de gratuidade dos idosos, as empresas que operam o transporte público registraram a circulação de 7.400 idosos em ônibus segunda-feira em São José dos Campos. O bloqueio era medida para evitar a saída dos integrantes de um dos principais grupos de risco do novo coronavírus de suas residências. Sete mil e quatrocentos idosos -- pessoas do grupo de risco.

Há um mar de gente.

Pesquisa Datafolha divulgada nesta terça-feira aponta que 28% dos entrevistados não seguem total ou parcialmente a orientação de ficar em casa e fazer isolamento contra o novo coronavírus. Quase um terço.

Há uma nau à deriva, que ignora a luz do farol científico do conhecimento.

Inegavelmente, o comportamento errático, irresponsável e negacionista do capitão da nau brasileira, presidente Jair Bolsonaro (sem partido, bússola, astrolábio, quadrante ou qualquer conhecimento sobre o comportamento do oceano, apesar de familiarizado com ondas de fake news), é um dos responsáveis por essa tragédia anunciada, que cobrará seu alto preço em vidas brasileiras.

Há um mar de gente. A banda toca no convés enquanto o Titanic afunda. Esse mar de gente não recua. Mas, infelizmente, o tsunami já vem.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 8,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.