Com crise provocada pela pandemia, Embraer tem menor número de aeronaves entregues desde 2000

Xandu Alves | @xandualves10

Movida a desafios e destinada a superar crises -- praticamente uma por década desde 1990 --, a Embraer enfrenta um dos capítulos mais desafiadores da sua história de 51 anos.

Os números revelam o tamanho do problema.

Terceira maior fabricante de aviões comerciais do mundo, a Embraer entregou 59 jatos em 2020, de janeiro a setembro.

Com isso, a empresa sediada na RMVale tem média de 6,5 aviões entregues por mês em 2020, a mais baixa média de entregas desde 2000. A do ano passado foi de 16,5 aviões mensais e a de 2018, de 15.

A média de entregas de 2020 é ainda mais baixa da dos anos em que a empresa enfrentou severas crises, como em 2001, por conta dos atentados às torres gêmeas, nos Estados Unidos e incertezas na aviação. Naquele ano, a média mensal de entregas é de 13,5 aviões.

A crise financeira de 2008 também atingiu fortemente a empresa, que precisou cancelar e adiar entregas, mas terminou o ano com 16,5 aviões entregues por mês, em média.

Por fim, os impactos da crise financeira de 2008 levaram a Embraer a demitir 4,3 mil funcionários em 2009.

Mesmo assim, a fabricante terminou o ano entregando, em média, 19,7 aviões.

Nos últimos 20 anos, o recorde de entregas da Embraer foi batido em 2010, com 244 aviões entregues no mercado internacional. Mais recentemente, a empresa alcançou 225 aeronaves em 2016 e 210, em 2017. No ano seguinte, entregou 181 aeronaves e 198 em 2019.

COMERCIAL.

Principal setor da companhia e responsável por cerca de metade do faturamento da Embraer, a aviação comercial foi a maior impactada com duas crises juntas: a da pandemia do coronavírus, que atingiu severamente a aviação global, e a provocada pelo processo de reversão do negócio com a Boeing, fracassando em abril.

O acordo comercial previa a separação da aviação comercial do restante da Embraer, processo que estava perto da conclusão quando o negócio caiu por terra.

Mesmo cancelado, o negócio gerou custos financeiros --de quase R$ 500 milhões-- e administrativos à Embraer, obrigada a passar por processo de reintegração das suas áreas.

Nos nove primeiros meses de 2020, a Embraer entregou 16 jatos comerciais no mercado, bem abaixo da quantidade de aeronaves entregues no mesmo período dos quatro anos anteriores: 54 (2019), 57 (2018), 78 (2017) e 76 (2019).

A queda na entrega de aviões comerciais foi de 70,3% na comparação com o mesmo período de 2019.

A aviação executiva recuou menos. A Embraer entregou 43 jatos de janeiro a setembro de 2020 contra 63 no mesmo período do ano passado, recuo de 31,7%.

Em 30 de setembro de 2020, a carteira de pedidos firmes a entregar da Embraer totalizava US$ 15,1 bilhões. O volume de encomendas é um pouco menor do registrado no final do primeiro trimestre, quando a estava em US$ 15,9 bilhões.

Na Embraer, a ordem é cortar custos e simplificar processos para ganhar produtividade.

“Iniciamos projetos para reduzir o ciclo de produção das aeronaves”, disse Francisco Gomes Neto, CEO e presidente da Embraer, em conferência com jornalistas. “Essas mudanças se concentraram não apenas na redução de custos, mas também para desenhar uma organização para melhor executar nosso plano estratégico 2021-2025”.

Uma das ações foi postergar entregas para 2022 e 2023, mas ainda sem cancelamentos.n

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.