Pandemia e fim do negcio com a Boeing trazem novos desafios para Embraer

A companhia, que foi ao mercado e obteve financiamento de R$ 3,2 bilhes de bancos pblicos e privados, garante ser economicamente slida e com liquidez

Xandu [email protected] | @jornalovale

Há desafio no ar.

Nutrida por desafios, a Embraer os encara como parte do DNA. A terceira maior fabricante de aviões do mundo está diante de mais um deles.

Talvez um dos maiores da sua história de 50 anos em razão da Covid-19, que desabou o setor aéreo.

Não há precedente e ainda não se enxerga a extensão do impacto no mercado e quem sobreviverá.

A Embraer contava com uma parceria com a Boeing que compraria 80% da divisão comercial da brasileira. O setor seria separado e a "velha" Embraer ficaria com 20%.

Em um mercado altamente competitivo, a força da Boeing impulsionaria as aeronaves da Embraer pelo mundo, multiplicando as vendas. Mas surgiu um vírus.

A Boeing cancelou o negócio com a Embraer já nos acréscimos, na iminência de conclusão. A Embraer se viu novamente sozinha e com gastos e exigências para readaptar a companhia à divisão comercial, processo iniciado neste mês.

A companhia, que foi ao mercado e obteve financiamento de R$ 3,2 bilhões de bancos públicos e privados, garante ser economicamente sólida e com liquidez.

O endividamento da empresa é de longo prazo e o dinheiro servirá para reforçar o caixa, de compra de peças até a entrega de aeronaves.

De acordo com a Embraer, a Covid-19 não provocou cancelamentos de pedidos, apenas adiamentos, informação muito bem recebida pelo mercado (leia texto nesta página).

O que se pergunta é: "que mercado existirá após a Covid"? Ninguém sabe.

Mas olhando para outras graves crises que paralisaram o setor aéreo, com em 2001 e 2009, é possível tirar pistas.

Aviões menores devem ser preferidos na retomada pós-Covid, especialmente por causa de rotas regionais. A Embraer domina esse mercado e seus aviões devem decolar antes de aviões maiores.

Com uma nova família de aeronaves comerciais (E2), a empresa está bem posicionada para disputar esse mercado, mas também sabe que a venda de aviões novos deve demorar a voltar a níveis pré-Covid.

Um 'xadrez espacial'.

"Vivemos momentos sem precedentes. Isso tem trazido impactos significativos para a nossa indústria, volatilidade ao mercado e incertezas para nossos clientes, colaboradores e fornecedores" disse Francisco Gomes Neto, presidente e CEO da Embraer.

Segundo ele, a empresa vai revisar o plano estratégico para os próximos cinco anos tendo em mente a crise.

Dentro disso, há lugar para potenciais parcerias, como desenvolvimento de produtos, serviços de engenharia e eventualmente para a produção.

OVALE apurou que a venda de parte da companhia como seria feita para a Boeing saiu do radar, ao menos por ora.

"Expectativa é que a aviação regional lidere a retomada, o que abre boa oportunidade para a Embraer. Temos produtos modernos e competitivos", disse Gomes Neto.

A empresa tem dois projetos nas pranchetas, que dependerão de financiamento: turboélice para aviação regional (até 70 passageiros) e um avião de transporte militar menor do que o KC-390 e híbrido (elétrico/combustível).

O céu, como se vê, é de novo um novo desafio.

Mercado reage com 'expectativas positivas' e alta nas ações da Embraer

A movimentação da Embraer para se recuperar da crise da pandemia e do acordo desfeito com a Boeing tem chamado a atenção. Segundo especialistas no mercado, os investidores acompanham cada movimento da empresa. As expectativas são positivas. Na Bolsa, as ações da Embraer já têm alta de 80%.

"A empresa passa por estruturação após o cancelamento da parceria com Boeing. Por conta da pandemia, apresentou um recuo na receita em 7,9% no trimestre. O lado positivo foi que não recebeu pedidos de cancelamentos de aeronaves, mas para que entregas fossem adiadas. Uma vitória para quem acreditava que o futuro da empresa mais popular da RMVale estaria destinado ao fim", disse Gustavo Neves, assessor de investimentos e economista da Plátano Investimos - XP Investimentos, de São José.

Assinar OVALE

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi to lido. So mais de 23 milhes de acessos por ms apenas nas plataformas digitais, alm da publicao de quatro edies impressas por dia. O importante que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem lder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crtico, plural, moderno e apartidrio. Informao com credibilidade, imprescindvel para a construo de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notcia a verdade. E ns assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalstica da regio.