Aps fim do acordo com a Boeing, Embraer negocia com BNDES e vai encarar mercado indefinido ps-pandemia

Empresa encara cenrio indefinido em meio maior crise da histria da aviao, com burburinhos de uma unio com chineses e sob presso do governo Jair Bolsonaro

Xandu [email protected] | @jornalovale

Que voo fará a Embraer?

Após o fim do acordo com a Boeing, a fabricante de São José dos Campos encara cenário indefinido em meio à maior crise da história da aviação, com burburinhos de uma união com chineses e sob pressão do governo Jair Bolsonaro.

O cenário é desafiador e o futuro, incerto. O céu, que parecia de brigadeiro há um ano, tornou-se tempestuoso.

Sem a parceria com a Boeing, classificada pela Embraer como "estratégica", o mercado ficará mais desafiador.

Os norte-americanos recuaram do acordo assinado com a Embraer de comprar a maior parte da divisão comercial da brasileira, por US$ 4,2 bilhões (R$ 23,5 bilhões).

O negócio bilionário resultaria na Boeing Brasil Commercial, empresa com 80% pertencente à Boeing e 20%, à Embraer.

Outra companhia com 51% da Embraer e 49% da Boeing seria criada para vender a aeronave militar C-390 Millenium.

Ambas não decolaram, e Boeing e Embraer irão resolver a pendenga por meios arbitrais. Ambas se acusam de não terem cumprido o acordo.

Para piorar, o momento é dificílimo para empresas do setor aéreo, atividade que despencou no mundo devido à Covid-19.

"A situação é muito complicada, não só para a Embraer como para companhias e operadoras aéreas do mundo todo. Na Alemanha, 95% da aviação está no chão. Não sabemos como o mundo vai sair da pandemia", disse Expedito Bastos, pesquisador de assuntos militares da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG).

Sem a Boeing, que enfrenta uma crise sem precedentes, com pedido socorro financeiro ao governo dos EUA, a Embraer terá que manter a liderança no mercado de aviões regionais diante da união da Airbus com a principal rival, a canadense Bombardier.

O conglomerado europeu comprou a maior parte do programa de jatos regionais dos canadenses, e está oferecendo os jatos em seu portfólio de aviões maiores, o que aumenta a competitividade.

E isso nem é o desafio mais urgente. A Embraer tem que manter-se em pé diante da maior crise global desde a Segunda Guerra Mundial.

De acordo com o jornal 'OGlobo', a Embraer conversa com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) em busca de ajuda financeira. O banco poderia ampliar a sua fatia de participação na empresa ou liberar crédito de longo prazo. A lógica é que o governo brasileiro, que tem parte na Embraer, não deixe a empresa correr o risco de quebrar, devido ao caráter estratégico para a indústria nacional.

Também há, no próprio governo, quem simpatize com a ideia da venda para a China, que investe para competir com Boeing e Airbus com o jato C919, da estatal chinesa Comac. O avião é equivalente ao A320 e ao 737, mas tem problemas no desenvolvimento. Faltam aos chineses a experiência e a capacidade da Embraer, cuja linha de jatos comerciais seria complementar ao C919. Ainda é apenas especulação.

Aos funcionários, o presidente e CEO da Embraer, Francisco Gomes Neto, foi otimista: "Quero ressaltar que a Embraer tem liquidez suficiente e acesso a fontes de financiamento para alavancar a continuidade dos seus negócios. Somos uma empresa estratégica para o Brasil".

O mesmo fez o engenheiro Ozires Silva, 89 anos, ex-presidente da Embraer e um dos fundadores da companhia. Ele gravou um vídeo em apoio à empresa e estímulo aos funcionários: "Caminhem com a cabeça erguida e mostrem que essa nossa companhia ganhou o mundo para ficar"..

Assinar OVALE

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi to lido. So mais de 23 milhes de acessos por ms apenas nas plataformas digitais, alm da publicao de quatro edies impressas por dia. O importante que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem lder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crtico, plural, moderno e apartidrio. Informao com credibilidade, imprescindvel para a construo de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notcia a verdade. E ns assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalstica da regio.