Cade avaliou duas operaes para aprovar negcio entre Embraer e Boeing

Conselho Administrativo de Defesa Econmica analisou de maneira separada operao em que Boeing adquire 80% do setor comercial da Embraer e operao que trata de criao da nova joint-venture das empresas

Caque [email protected] | @caiquetoledo

Para aprovar a negociação entre Embraer e Boeing, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou duas transações diferentes. A primeira consiste na aquisição pela Boeing de 80% do setor de aviação comercial da Embraer e a segunda trata da criação da joint venture entre as duas empresas. A negociação geral é avaliada em uma quantia de US$ 4,2 bilhões.

Para a análise da chamada 'Operação Comercial', que engloba a produção de aeronaves comerciais de grande porte da Embraer, o Conselho concluiu que a operação "não deve impactar negativamente os níveis de rivalidade existentes neste mercado, apesar de as condições de entrada no setor não serem favoráveis." A avaliação da autarquia é que ampliação da Boeing pode aumentar a competitividade com a Airbus, que é líder no setor de mercado.

Já na chamada 'Operação Defesa', a avaliação foi voltada para a produção da aeronave de transporte militar KC-390, com participações de 49% da Boeing e 51% da Embraer. "A autarquia concluiu que não existe possibilidade de exercício de poder de mercado", diz o comunicado do Cade.

"A aprovação do acordo pelo órgão regulador brasileiro é uma demonstração clara da natureza pró-competitiva de nossa parceria", disse Francisco Gomes Neto, CEO e Presidente da Embraer. "A decisão não apenas beneficiará nossos clientes, mas também permitirá o crescimento da Embraer e da indústria aeronáutica brasileira como um todo".

"Esta mais recente aprovação de nossa parceria é outra validação por parte das agências reguladoras globais de nossa parceria, a qual, como consistentemente afirmamos, trará maior competitividade ao mercado de jatos regionais, mais valor para nossos clientes e maiores oportunidades aos nossos funcionários. Mantivemos um engajamento produtivo com o Cade para demonstrar a natureza competitiva da parceria que estamos planejando e para a qual esperamos um desfecho positivo", disse Marc Allen, executivo da Boeing e presidente da Parceria Embraer e Operações do Grupo.

Transação agora depende do aval da União Europeia para ser concretizada

Após a aprovação do Cade, o negócio entre Embraer e Boeing só depende de aval da União Europeia para ser concretizada. As empresas acreditam em um desfecho favorável.

"Diante do endosso favorável que temos recebido de nossos clientes na Europa e das aprovações incondicionais de todas as agências reguladoras que analisaram nossa transação, esperamos receber a aprovação final para a transação o mais rápido possível", afirmou Marc Allen, executivo da Boeing e presidente da Parceria Embraer e Operações do Grupo.

Se for aprovada, a parceria será a principal concorrente do consórcio europeu Airbus, que controla majoritariamente o programa de jatos regionais da canadense Bombardier.

Assinar OVALE

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi to lido. So mais de 7,5 milhes de acessos por ms apenas nas plataformas digitais, alm da publicao de quatro edies impressas por dia. O importante que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem lder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crtico, plural, moderno e apartidrio. Informao com credibilidade, imprescindvel para a construo de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notcia a verdade. E ns assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalstica da regio.