Logo Jornal OVALE

Reforma Trabalhista corta vagas e gera salrios mais baixos na regio

Setores cruciais para o crescimento econmico do Vale do Paraba perderam nvel de emprego aps a reforma, aprovada em novembro de 2017: indstria perdeu 964 empregos e a construo civil cortou 1.263 trabalhadores

Xandu [email protected] | @xandualves10

Aprovada para gerar emprego no país, a Reforma Trabalhista mostrou-se pouco eficiente na RMVale, uma das regiões mais industrializadas do estado.

Indústria e construção civil perderam postos de trabalho, enquanto que apenas serviços e comércio registraram saldo positivo. Os empregos gerados exigem pouca qualificação e pagam salários mais baixos.

De novembro de 2017 a maio de 2019, a região gerou 741 empregos, mas com a indústria perdendo 964 postos e a construção, cortando 1.263. O levantamento foi feito por OVALE com dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia.

Dos oito setores da economia avaliados pela pasta, apenas serviços e comércio registram saldo positivo de emprego no Vale após as mudanças na legislação trabalhista. Serviços teve saldo de 4.132 postos de trabalho e comércio, de 460.

Segundo o economista Edson Trajano, pesquisador do Nupes (Núcleo de Pesquisas Econômico-Sociais), a redução salarial foi de 1,5% nos últimos 12 meses, subindo para 5,5% da renda média se considerada a inflação acumulada de 4%.

"A reforma não resultou na geração de emprego e renda, nos setores industrializados. A situação de pouca produção enfraquece a capacidade de negociação do trabalhador, o que reduz os salários."

Mesmo com salários mais baixos e menor exigência, serviços e comércio já começam a apresentar sinais de desgaste neste ano. Comércio foi o segmento que mais perdeu vagas de janeiro a maio de 2019, com corte de 2.886 vagas.

Serviços perdeu 266 empregos em maio, segundo mês com retração este ano. O primeiro foi março, com -182. Nos cinco meses, contudo, o setor de serviços ainda mantém o saldo positivo: 1.600.

Segundo Trajano, que é professor da Unitau (Universidade de Taubaté), o Vale depende da matriz industrial para alavancar o emprego. "Quando a atividade industrial vai bem no Vale, os outros setores são puxados para cima, a médio e longo prazos. Mas o contrário também ocorre, porque grande parte da renda está ligada à indústria", afirmou.

São José e Taubaté perdem 970 postos de trabalho após mudança na legislação

As duas cidades mais industrializadas do Vale do Paraíba --São José dos Campos e Taubaté-- foram as que mais perderam empregos na região desde a Reforma Trabalhista, com corte de 207 e 763 postos de trabalho desde novembro de 2017, segundo o Ministério da Economia.

Nos dois municípios, o setor industrial foi o que mais demitiu trabalhadores nesse período. Em São José, após a reforma, a indústria acumula -1.720 empregos. Em Taubaté, o segmento cortou 941 vagas no mercado.

Jacareí, Pindamonhangaba e Guaratinguetá registraram saldo positivo de emprego na indústria no mesmo período, com 356, 482 e 75 postos de trabalho.