Logo Jornal OVALE

Regio abre 1.049 novos empregos em abril, segundo governo federal

Servios foi o setor que mais gerou vagas em abril, contratando 423 novos trabalhadores, seguido da indstria (207), comrcio (201) e construo civil (127); de oito setores da economia, apenas minerao perdeu vagas (-21)

Xandu [email protected] | @xandualves10

A gangorra do emprego anda a todo vapor no Vale do Paraíba, que registrou a abertura de 1.049 novos postos de trabalho em abril deste ano, depois de cortar 1.138 vagas no mercado do trabalho no mês anterior.

É o segundo mês do ano com criação de novos empregos, em períodos intercalados. O Vale começou 2019 perdendo 663 vagas, depois abriu 1.363 postos de trabalho em fevereiro, melhor resultado para um único mês desde outubro de 2017.

Em março, voltou a ter saldo negativo: -1.138, o pior desde dezembro de 2018. Abril anotou saldo positivo de 1.049 novos postos e alívio para quem procura oportunidade de trabalho na região.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia.

SETORES.

Sete dos oito setores da economia avaliados pelo Caged contrataram em março, sendo que apenas a mineração perdeu vagas: -21.

Entre os demais segmentos econômicos, quem mais abriu empregos em abril foi o de serviços, com 423 novos postos de trabalho no mês, seguido de indústria (207), comércio (201), construção civil (127), agropecuária (63) e serviços industriais de utilidade pública (40).

No acumulado do quadrimestre, o Vale do Paraíba alcançou saldo de 611 empregos gerados, um pouco abaixo do resultado do primeiro bimestre, de 700 novas vagas no mercado de trabalho, mas bem abaixo do saldo registrado de janeiro a abril do ano passado, com 2.680 novos empregos no Vale.

Pesquisador do Nupes (Núcleo de Pesquisas Econômico-Sociais), da Unitau (Universidade de Taubaté), o economista Edson Trajano vê dificuldade para a região conseguir, neste ano, um crescimento acelerado na geração de vagas.

"O risco de perder emprego é alto e as pessoas têm dificuldade de fazer crédito, o que afetas as vendas. Se a indústria não vai bem porque não tem demanda, isso também provoca instabilidade no comércio e serviços", disse. "Saída é o crescimento e as alternativas passam por política de redução das taxas de juros para setor produtivo".

São José lidera geração de novas vagas no mês, com Redenção e Taubaté em seguida

São José dos Campos foi a cidade que mais gerou novos empregos em abril, no Vale do Paraíba, com 465 novas vagas, destaque para serviços (145), comércio (131) e indústria (128). Na segunda colocação, a pequena Redenção da Serra colocou 200 novos trabalhadores no mercado.

Taubaté vem em seguida, com 163 novos postos de trabalho, depois aparecem Pindamonhangaba (97), Campos do Jordão (91) e Lorena (69). Jacareí abriu 43 empregos em abril. Na contramão, Guaratinguetá perdeu 74, Ubatuba cortou 104 e São Sebastião encerrou 110.

No quadrimestre, o ranking tem Redenção na liderança (467) e depois São José (377), Pindamonhangaba (349), Taubaté (321), Guaratinguetá (309), Cruzeiro (142) e Jacareí (138). Cortaram vagas no ano as cidades de Ilhabela (-292), Caraguatatuba (-385) e Ubatuba (-713).