Mourão diz que Macron 'desconhece' situação da produção da soja no Brasil

Agência O Globo | @jornalovale

O vice-presidente Hamilton Mourão rebateu nesta quarta-feira a declaração do presidente da França, Emmanuel Macron, de que comprar a soja brasileira significa endossar o desmatamento na Amazônia. Mourão afirmou que Macron "desconhece a produção" do Brasil e que ele representou "interesses protecionistas dos agricultores franceses".

"Monsieur Macron ne pas bien (Senhor Macron não está bem)", disse Mourão inicialmente, em francês, após ser questionado sobre a fala ao chegar no Palácio do Planalto.

Em seguida, o vice-presidente afirmou que a "produção agrícola na Amazônia é ínfima" e que a manifestação do francês faz parte de um "jogo político":

"Macron desconhece a produção de soja do Brasil. Nossa produção de soja é feita no cerrado ou no sul do país. A produção agrícola na Amazônia é ínfima. Por outro lado, nossa capacidade de produção é imbatível. Nossa competição nesse ramo está muito acima dos demais concorrentes", disse, acrescentando: "Então, eu acho que nada mais, nada menos, (Macron) externou aí aqueles interesses protecionistas dos agricultores franceses. Faz parte do jogo político".

Mourão também desdenhou da intenção de Macron de "produzir a soja europeia ou equivalente":

"Não têm condições de competir com a gente. A mesma coisa, em outros aspectos a indústria francesa é melhor. Agora, nesse aspecto, na produção agrícola, nós damos de 10 a 0".

O vice-presidente disse não ver chances das declarações do presidente francês influenciarem outros líderes e afirmou que foi um "discurso interno".

De acordo com estatísticas do Ministério da Agricultura, a França importou 1,7 milhão de toneladas de soja do Brasil em 2020, movimentando US$ 570 milhões. Procurada, a pasta informou que não irá se manifestar sobre as declarações de Macron.

O breve discurso do presidente francês está em linha com plano anunciado em dezembro do ano passado, um dia após o Brasil anunciar o maior patamar de desmatamento desde 2008 na Amazônia.

Na ocasião, o ministro da Agricultura da França, Julien Denormandie, detalhou plano para aumentar em 40% a produção de soja no país num prazo de três anos, e dobrar a área plantada em uma década.

Em 2019, Macron entrou em rota de colisão com o presidente Jair Bolsonaro por causa do aumento das queimadas na Amazônia. Como resposta, Bolsonaro debochou da primeira-dama francesa, Brigitte, por ela ser 24 anos mais velha que o marido.

Desde então, o governo francês tem sido um dos principais críticos do acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia, que precisa ser aprovado por todos os países do bloco para entrar em vigor. Em outubro, o Parlamento Europeu rechaçou o texto do acordo, citando questões ambientais.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido, assistido, curtido e compartilhado. São mais de 23 milhões de visualizações por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação da edição impressa, revistas e suplementos especiais. E sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Seja livre, seja OVALE. Viva a democracia. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.