‘Cidade inteligente’ propõe conceito de moradia

Agência O Globo |

Em um país onde o déficit habitacional é de 7,8 milhões de moradias, o setor imobiliário pensa em novas maneiras de morar. É o caso de "cidades" erguidas em áreas com grandes terrenos, unindo tecnologia, sustentabilidade e urbanismo.

O grupo inglês Planet Smart City, por exemplo, construiu em Laguna, Ceará (a 70km de Fortaleza), o que chama de "a primeira cidade inteligente inclusiva do mundo." A etapa inicial com lotes e casas foi entregue em 2018 e há cem famílias morando no empreendimento — que terá capacidade para 25 mil pessoas.

A empresa lançou ainda projetos em Natal (RN), Aquiraz (Ceará) e em São Paulo. Os valores partem de R$ 45 mil (lotes), com casas custando a partir de R$ 114 mil.

"Quando se fala em cidade inteligente, as pessoas pensam que é voltado para a classe A, mas criamos algo com infraestrutura de alto padrão e tecnologia com preço acessível", afirma Susanna Marchionni, CEO no Brasil da Planet Smart City.

Sem pagamento de condomínio, a estrutura inclui academia ao ar livre, campo de futebol society, biblioteca, bicicletas compartilhadas, ateliê de costura, playground, hub de Inovação com wi-fi gratuito e aplicativo gratuito do bairro.

"Conseguimos negociar com grandes empresas a venda de produtos de moradores e, com esta comissão, financiamos os custos das áreas comuns. Estimulamos a entrada de lojas e empresas", explica Susanna.

De acordo com a CEO, o objetivo da empresa é implantar outras dez "smart cities" no Brasil em 2021.

Para Paulo Porto, professor da FGV, estes projetos de bairros/cidades, no Rio, caberiam em bairros da Zona Oeste como Santa Cruz e Campo Grande, que ainda têm abundância de terrenos:

"Mas isto dependeria de parceria entre construtoras e o governo municipal".

O conceito é fazer a economia girar na região, com geração de emprego na área.

"Essas iniciativas, embora sejam interessantes, não dão a estas localidades o status de cidade. São apenas núcleos/bairros/empreendimentos onde são oferecidas soluções diferenciadas", diz Mônica Salgado, do programa de pós-graduação em arquitetura da UFRJ.

Para Roberto Simon, CEO da empresa de arquitetura Archia Technology, antes de pensar em grandes projetos, os prefeitos deveriam construir uma cidade boa para o cidadão, com calçadas largas, árvores e ocupação:

"As grandes cidades são idealizadas para os carros, com avenidas cada vez maiores, enquanto as calçadas ficam cada vez menores. Um exemplo é o Porto Maravilha, região cheia de tecnologia, mas sem vida".

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.