Procuradores do MPF vão acompanhar critérios de vacinação contra Covid-19

Agência O Globo |

Procuradores do Ministério Público de São paulo, Pernambuco e Rio Grande do Sul instauraram procedimento para acompanhar o planejamento de vacinação contra a Covid-19 no Brasil. O MPF quer saber quais imunizantes serão utilizados, critérios e as motivações de escolha.

Nesta segunda-feira, foram enviados pedidos de esclarecimento para o Ministério da Saúde sobre quais as medidas estão sendo tomadas para implementar o acordo com o Instituto Butantan, parceiro da chinesa Sinovac na pesquisa da vacina Coronavac.

O MPF questiona ainda os motivos de o Ministério da Saúde considerar no calendário de vacinação apenas a vacina que está sendo desenvolvida pela universidade de Oxford. Também foram pedidas explicações à  Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre quais os critérios científicos de escolha e aprovação das vacinas e qual a estimativa de término de testes de cada uma delas.

Os pedidos têm como base a informação do Instituto Butantan, de que estaria sendo retardada autorização para importação de matéria-prima da Sinovac, o que dificultaria a fabricação da Coronavac no Brasil.

O MPF pediu ainda informações ao Instituto Butantan e à Secretaria de Saúde de São Paulo para que apresentem os termos de acordo com o Ministério da Saúde. Inicialmente, havia informação que o Ministério compraria 46 milhões de doses da Coronavac. Os procuradores querem saber se houve alteração no planejamento, uma vez que o presidente Jair Bolsonaro afirmou nas redes sociais que a vacina não seria adquirida. Todos os órgãos têm 15 dias para apresentar as informações.

Mesmo sem que os estudos tenham terminado e que a Coronavac tenha recebido aprovação da Anvisa, a vacina desenvolvida em parceria com a empresa chinesa se transformou em polêmica. Um dia depois de o governador João Doria  divulgar a compra de 46 milhões de doses pelo Ministério da Saúde, Bolsonaro disse que a vacina não seria compradae chamou a vacina de "vacina chinesa de João Doria", seu rival político.

Nenhuma das vacinas que estão sendo testadas no Brasil recebeu ainda a aprovação da Anvisa.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.