Estresse causado pela Covid-19 aumenta casos de problemas bucais

Agência O Globo |

"Eu sentia muitas dores ao acordar e já levantava da cama com dor de cabeça. Fui três vezes ao dentista reparar dentes quebrados durante a pandemia. Já tive bruxismo antes, mas nestes últimos meses, se intensificou". Este é o relato do empresário Thiago Marques, de 30 anos. Situações como a dele se tornaram comuns nos consultórios, segundo dentistas. O estresse e a ansiedade causados — ou agravados — pela pandemia do novo coronavírus fizeram com que muitas pessoas apresentassem bruxismo ou apertamento dos dentes.

Esses problemas desgastam os dentes, além de impactar na qualidade de vida dos pacientes, gerando dores na região do rosto e em outras áreas, como no pescoço e nas costas, além de fraturas dentárias.

"Às vezes, o paciente não consegue identificar que essas dores são causadas pela ATM (articulação temporomandibular) e acaba procurando outros tipos de profissionais, quando na verdade as dores são causadas pela instabilidade da musculatura da face, que sobrecarrega os outros músculos", explica a dentista Erika Abreu, do consultório Boutique, no Rio de Janeiro.

O apertamento acontece quando a pessoa pressiona os dentes de cima contra os de baixo de maneira involuntária, e pode ocorrer tanto de dia quando à noite. Já o bruxismo é o movimento de "esfregar" uma arcada dentária na outra. De acordo com a dentista, para desenvolver o bruxismo é preciso ter uma predisposição e, em alguns casos, um desajuste na mordida. O estresse é o gatilho para que o atrito dos dentes comece.

A mudança na rotina desde o começo da pandemia também pode ser um fator que elevou o número de pessoas com problemas bucais, como a má postura causada pelo home office, por exemplo. "Além disso, muitas pessoas não estão tendo o sono restaurador de que precisam", afirma Marcelo Moreira, cirurgião dentista do Ateliê Oral, em São Paulo.

Como se cuidar

O tratamento para estes dois problemas é o mesmo. Se o paciente tiver algum desajuste de mordida ou ausência de dentes, é preciso colocar aparelho ortodôntico ou implante dos dentes que faltam. Associado a isso, o paciente deve usar uma placa acrílica que separe os dentes de cima dos de baixo para que ela não consiga apertá-los nem friccioná-los. A aplicação de toxina botulínica também pode ser indicada para aliviar a dor da musculatura.

Pessoas que ainda não estão saindo de casa por causa do novo coronavírus podem fazer massagens nas áreas que apresentam dores com óleos essenciais calmantes, como o de lavanda, além de fazer uso de um relaxante muscular para o qual já tenha recebido prescrição médica.

Causas

Estresse - O estresse gera uma tensão nos músculos do corpo, inclusive nos da face. A musculatura rígida pode causar o apertamento dental (durante dia ou noite) e bruxismo (apenas enquanto dorme).

Ansiedade - A ansiedade gera no corpo efeitos semelhantes ao do estresse, por isso, também pode ser apontada como uma das causas.

Dentes desalinhados - A má oclusão dental gera uma sobrecarga nos músculos da face podendo causar problemas como o bruxismo.

Problemas do sono - A apneia do sono, por exemplo, pode ser uma das causas para o bruxismo ou o apertamento dos dentes, pois como a pessoa não tem um sono reparador, a chance de os músculos não relaxarem é grande

Sintomas

Dor de cabeça - A região da cabeça é uma das mais afetadas pelo bruxismo e apertamento dos dentes. Como a região fica tensionada, é comum surgirem dores de cabeça, no rosto e na mandíbula.

Dor no pescoço ou nas costas - Assim como os músculos da face podem sentir o reflexo de problemas em outras regiões, o bruxismo e o apertamento dental podem provocar dores no pescoço e até nas costas.

Sensibilidade dental - O desgaste dental provocado pelo bruxismo ou pelo apertamento dos dentes pode aumentar a sensibilidade dos dentes, provocando dores ao consumir alimentos gelados ou quentes.

Fratura dental - A sobrecarga causada sobre os dentes pode fazer com que eles se quebrem com maior facilidade e frequência.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.