Casos de pacientes viram estudos científicos para entender comportamento da Covid-19

Agência O Globo |

Entre os mais de 21 milhões de casos de infectados pelo coronavírus no mundo, há aqueles cujas características contribuíram para a compreensão da Covid-19. Se tornaram os chamados estudos de caso, entraram para a literatura médica e ajudaram a desvendar mistérios da pandemia. São histórias de sofrimento e luta, de pessoas quase sempre mantidas no anonimato, que intrigaram médicos e acabaram por iluminar aspectos obscuros da pandemia. O GLOBO escutou algumas delas.

O primeiro caso é considerado emblemático porque apresenta muitas das características da forma grave de Covid-19. Além disso, tem complicações sugestivas de peculiaridades da infecção pelo coronavírus.

A professora de clínica médica da UERJ Márcia Ladeira, uma das coordenadoras do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe/UERJ), diz que o caso de Ruth Pereira de Barros, de 69 anos, será tema de um estudo científico.

Dona Ruth considera importante contar sua história e aceitou ser identificada porque quer ajudar outras pessoas a não sofrerem como ela.

Infecção misteriosa

Em 7 de abril, dona Ruth começou a tossir, teve febre alta e a passou a sentir falta de ar. Idosa, hipertensa e com hipotireoidismo, ela está no grupo considerado de maior risco para a doença. Quando a falta de ar piorou e ela deixou de se alimentar, a família buscou tratamento. Uma tomografia revelou uma pneumonia sugestiva de Covid-19, mas dona Ruth não foi internada.

Em 14 de abril, porém, a falta de ar se tornou intolerável e ela procurou atendimento no Hupe. Já estava com insuficiência respiratória aguda por Covid-19. Recebeu oxigênio suplementar até o dia 17, quando piorou ainda mais e foi intubada.

O caso evoluiu num padrão que depois se mostrou frequente na Covid-19 grave. Dona Ruth teve infecções bacterianas associadas à ventilação mecânica. Outros órgãos, como os rins, começaram a ser atingidos pelos distúrbios associados à inflamação deflagrada pela Covid-19.

Entre meados de abril e início de maio, sofreu trombose venosa profunda numa perna —trombos acabaram por se revelar uma das características mais marcantes da doença. Intubada e imóvel, foi acometida por úlceras de pressão.

Estas são lesões na pele que podem chegar até o osso, frequentes em pacientes em longa imobilidade em UTI, mas que parecem ser mais prevalentes na Covid-19. Intriga os médicos saber se isso acontece devido à longa internação ou tem alguma relação específica com o coronavírus.

Em 14 de maio, dona Ruth precisou ser submetida a uma traqueostomia. Depois disso, porém, começou a melhorar e em 28 de maio pode ser transferida para uma enfermaria.

Mas foi só em 13 de junho que dona Ruth pode começar a fazer reabilitação para tratar as sequelas da trombose e das úlceras. Passou a fazer fisioterapia e melhorou significativamente. Em 23 de junho, quase dois meses e meio após a internação, ela recebeu alta.

Porém, o caso não estava encerrado. No fim de julho, ela voltou a ter tosse e febre em um fim da tarde. Numa consulta ambulatorial, realizou um exame de imagem do tórax, que revelou uma espécie de "bola branca" no pulmão, sinal de uma possível infecção por fungos.

Nova internação

Dona Ruth foi internada de novo em 27 de julho. Uma broncoscopia (exame do pulmão) comprovou a suspeita de uma "bola fúngica" por aspergilus. Este é um fungo comum, mas que em pessoas debilitadas pode causar infecção grave.

A infecção pode ser causada por imunossupressão durante o período de internação, uso de múltiplas medicações e antibióticos. O caso mais uma vez chamou atenção porque outros estudos já haviam sugerido que infecções por aspergilus podem ser mais frequentes em pacientes de Covid-19.

Dona Ruth começou a ser tratada para a infecção e melhorou. No entanto, não era o fim dos problemas. Na broncoscopia, os médicos detectaram um estreitamento de traqueia de 70%, provavelmente causado pela intubação por período prolongado.

Ela agora aguarda a realização de nova broncoscopia terapêutica, para dilatar o estreitamento da traqueia. Também passou a apresentar quadro de diabetes após a Covid-19. O mesmo problema já foi identificado em outros pacientes e é sugestivo, segundo estudos internacionais, do acometimento do pâncreas.

—Voltei a ter febre, me sentir mal e aqui estou. Era hipertensa e agora estou diabética também — diz dona Ruth.

Ela ainda não tem previsão de alta, mas mantém o otimismo.

— Para quem passou o que eu passei, estou ótima. Sou otimista. Já consigo sentar numa cadeira sozinha e tenho certeza de que voltarei a andar. Tem que ter fé e esperança. Isso, me sobra. — afirma dona Ruth, com o sorriso a torna querida entre profissionais de saúde e pacientes da enfermaria do hospital.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.