Novo boletim: Brasil tem 92.789 mortes por Covid-19, segundo consórcio de veículos da imprensa

Agência O Globo |

O Brasil chegou aos 92.789 óbitos e 2.675.676 contaminações pela Covid-19, com 221 novos óbitos e 9.378 novas infecções desde as 20h desta quinta, informa o boletim das 13h do consórcio de veículos de imprensa, formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo, que reúne informações das secretarias estaduais de Saúde.

Desde o primeiro boletim do dia, divulgado às 8h, as secretarias de Saúde de Goiás, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte, Ceará, Bahia e Distrito Federal atualizaram os dados. O balanço anterior, divulgado às 8h, contabilizava 92.585 mortes e 2.667.241 casos confirmados. 

As estatísticas da pandemia no Brasil são divulgadas três vezes ao dia pelo consórcio. Os próximos dados serão liberados às 20h desta sexta-feira. A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.

Rio em alerta

O Rio de Janeiro é um dos oito estados brasileiros que apresentam tendência de alta de mortes por Covid-19. Acre, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina e Tocantins também apresentam um aumento superior a 15% na média móvel diária de óbitos em comparação com duas semanas atrás. 

O estado fluminense teve uma variação de 29% e é o único do Sudeste a apresentar tendência de alta. São Paulo e Minas Gerais demonstram estabilidade nos óbitos, enquanto o Espírito Santo está em queda. Apenas o Nordeste não tem nenhum estado com tendência de crescimento nas mortes por Covid-19.

O Brasil registrou nesta sexta-feira uma média móvel 1.026 mortes, mantendo-se com tendência estável. Apresentam estabilidade sete estados e mais o Distrito Federal. São eles: Bahia, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Rondônia, São Paulo e Sergipe.

O país tem 11 estados com tendência de queda, concentrados, em sua maioria, nas regiões Norte e Nordeste. São eles: Alagoas, Amapá, Amazonas, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte.

A "média móvel de 7 dias" faz um cálculo entre o número de mortes do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o "ruído" causado, por exemplo, pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Obrigatória no Brasil, vacina para tuberculose pode evitar contágio e mortes por coronavírus, diz estudo

Um estudo publicado esta sexta-feira na revista Science Advances mostrou que países com vacina obrigatória para o bacilo Calmette-Guérin (BCG), que protege contra as formas graves da tuberculose, exibiram em geral taxas mais baixas de infecção e morte por Covid-19 durante o primeiro mês da pandemia em seus territórios.

O modelo foi desenvolvido por cientistas da Universidade de Michigan, nos EUA, país onde a imunização não é obrigatória. De acordo com o levantamento, se a vacina fosse implementada, 460 pessoas teriam morrido por Covid-19 naquela nação no dia 29 de março de 2020 — o que equivale a apenas 19% do total de óbitos constatados naquela data (2.467).

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.