Decisão do STF atende Petrobras em processos trabalhistas que somam R$ 1,5 bilhão

Agência O Globo |

 O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), proibiu a aplicação de uma tese, aprovada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), que poderia prejudicar a Petrobras e outros estatais e órgãos públicos no julgamento de processos trabalhistas movidos por funcionários terceirizados. A Petrobras diz que tem 9.100 processos do tipo na Justiça Trabalhista que ainda não foram analisados, envolvendo valores da ordem de R$ 1,5 bilhão, além de outras 500 ações em que já foi condenada. 

A estatal também pediu a suspensão dessas ações. Em seu despacho, Moraes não deixa claro o que acontecerá com elas. Ele se limitou a mandar suspender as decisões tomadas numa reclamação trabalhista específica, apresentada por um funcionário terceirizado, na qual foi fixada a tese prejudicial à Petrobras.

Em outro julgamento, o STF já tinha dito que a administração pública direta e indireta também é responsável pelos encargos trabalhistas não pagos pelas empresas que contratam os terceirizados. Mas, para arcar com as despesas, é preciso ficar comprovado que as estatais e órgãos públicos não fiscalizaram de forma adequada o contrato de prestação de serviços.

Já o TST entendeu que o STF não estabeleceu uma "tese vinculante" a respeito do ônus da prova. Em outras palavras, não determinou se cabe ao trabalhador comprovar que a estatal falhou ou, ao contrário, se é a empresa que deve demonstrar que não cometeu erros. Assim, o TST se posicionou pela segunda opção, ou seja, mais favorável ao trabalhador.

A Petrobras então recorreu ao STF. Para ela, o entendimento do TST está em desacordo com a decisão do Supremo. Moraes, relator do processo, deu uma decisão em caráter de urgência, sem adentrar muito na questão. Segundo ele, os argumentos da Petrobras se mostraram robustos. A Petrobras alegou que, para ser responsabilizada, deve ficar comprovado que falhou na fiscalização do contrato de prestação de serviços.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.