'Bolsonaro sabota a sade pblica e isso crime', diz Dallari

Pedro Dallari, jurista, professor e relator e coordenador da Comisso Nacional da Verdade, no poupou crticas ao presidente Bolsonaro e defende sua imediata sada: 'O risco para o pas de uma situao de caos social enorme'

Da reda[email protected] | @jornalovale

Relator e coordenador da Comissão Nacional da Verdade, o jurista Pedro Dallari diz que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é nocivo para o país e que suas ações geram caos social em meio a maior crise de saúde do século.

"Bolsonaro terá que ser afastado. O risco para o país de uma situação de caos social é enorme", diz ele, que é professor titular de Direito Internacional do Instituto de Relações Internacionais da USP (Universidade de São Paulo).

A OVALE, Dallari diz que vê elementos jurídicos para abrir o processo de impeachment do presidente: "Saída de Bolsonaro é prioridade".

O presidente tem responsabilidade no tamanho que a pandemia está tomando?

Sem dúvida. Não se trata apenas de despreparo. O presidente tem, deliberadamente, sabotado as orientações de saúde pública do seu próprio governo. A principal delas é de isolamento social, a mais importante a ser adotada no combate à pandemia.

Isso é crime?

Sem dúvida. É crime contra a saúde pública. Mais uma das motivações possíveis para o impeachment, além das outras, como o ataque aos poderes. Essa sabotagem de saúde pública configura crime de responsabilidade.

Como avalia a situação?

Não sei se de maneira deliberada ou não, mas há uma discussão sobre uma crise institucional no país, que acho exagerada, que está tirando o foco da crise mais importante, que é a da pilha de cadáveres, que cresce de maneira vertiginosa e demonstra a falência desse governo.

O processo impeachment tem embasamento jurídico?

Não tenho a menor dúvida. O impeachment prevê a convergência de dois aspectos: os ilícitos, que estão demonstrados, e a avaliação do Congresso para abrir o processo e causar o afastamento. É esse último que ainda não estaria certo. Mas vejo como inevitável. Não vislumbro condições de permanência do presidente tal o grau de instabilidade que ele está gerando no país.

Ele pode ser afastado?

Há duas hipóteses constitucionais: impeachment e a denúncia por crime comum, e daí a preocupação dele pelo inquérito no STF das fake news, que poderia atingi-lo. Outra hipótese é a renúncia.

Acha que ele renunciaria?

Quem tem papel chave nisso são as lideranças militares no governo. O respaldo ao presidente vem basicamente dessas lideranças. A hora que elas se derem conta do mal que o Bolsonaro causa ao país, elas poderão ter ascendência sobre ele para que renuncie e assuma o vice-presidente. Seria menos traumático para o país.

O que espera dos militares?

Não tenho informação privilegiada. Acho que a demora vai fazer com que recaia sobre as Forças Armadas o ônus da situação. Na verdade, as Forças Armadas, por força da atuação dessas lideranças [no governo], embora elas não representem as Forças Armadas, porque são na maioria oficiais da reserva, elas acabam gerando uma associação entre as Forças Armadas e o governo, o que é muito ruim, e isso vai se acentuando. E tenho clareza que as Forças Armadas no Brasil não têm identidade com essa conduta irresponsável.

O sr. teme um golpe?

Não vejo as Forças Armadas embarcando numa aventura golpista. O que há é o presidente, na retórica, querer fazer crer isso, o que é ruim para as Forças Armadas, que ficam associadas a algo que não é verdade e acabam beneficiando indiretamente o presidente.

Estimular o conflito é uma estratégia do presidente?

Não consigo entender qual é a vantagem que ele aufere com esse caos. É mais irresponsabilidade do que estratégia. As três condutas do presidente são condenáveis e estão gerando o caos social. Primeiro, a sabotagem às medidas de saúde pública do próprio governo. Depois, incentivar a violência política. E ele ainda inviabiliza um planejamento adequado para combater o impacto da pandemia na economia e na vulnerabilidade da população. Enquanto que governadores e prefeitos procuram estabelecer estratégias, como isolamento e depois progressiva abertura, no caso federal o presidente inviabiliza isso.

Há algum paralelo?

A ditadura não pode ser comparada, é o que há de pior. Peguei uma repressão muito violenta, por isso não se deve comparar. Mas desde a redemocratização, de 1985 para cá, todos os momentos em que houve radicalização política e disputas eleitorais agudas não me recordo em nenhum momento de ver o próprio governo incentivar a violência a jornalistas. Não tem paralelo.

Imaginava o governo assim?

Achava que ia ser muito ruim o governo dele, porque sempre foi uma figura assim, mas é pior do que imaginava. Até o entusiasmo daqueles que o apoiaram diminuiu muito.

Que país vê em 2021?

Sem Bolsonaro. Temos que nos dedicar a isso, um país sem Bolsonaro. O restante vamos cuidar de melhorar. A primeira coisa é ter um país onde o presidente não seja Bolsonaro.

Assinar OVALE

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi to lido. So mais de 23 milhes de acessos por ms apenas nas plataformas digitais, alm da publicao de quatro edies impressas por dia. O importante que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem lder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crtico, plural, moderno e apartidrio. Informao com credibilidade, imprescindvel para a construo de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notcia a verdade. E ns assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalstica da regio.