Cuba anuncia que uso de dois medicamentos produzidos na ilha reduziu número de mortes por Covid-19

Agência O Globo |

Com números que indicam uma estratégia bem-sucedida de combate ao novo coronavírus, Cuba anunciou que o uso de dois medicamentos está por trás de seu aparente sucesso. Produzidos pela indústria de biotecnologia cubana, eles reduzem a inflamação em pacientes com COVID-19 em estado grave. Segundo o governo da ilha, graças a este tratamento foi possível uma redução drástica do número de mortes causadas pela doença.

Uma das drogas é o Itolizumab, um anticorpo monoclonal criado no Centro de Imunologia Molecular (CIM) usado no tratamento de linfomas e leucemias. O outro é um peptídeo também criado na ilha. O governo afirma que ele vinha sendo utilizado em ensaios clínicos em pacientes com artrite reumatóide.

Usados no tratamento de Covid-19 a partir de abril, os fármacos ajudam a controlar o que a medicina chama de tempestade de citocina. Trata-se de uma reação exagerada provocada pelo novo coronavírus no sistema imunológico e que pode levar à morte.

"Cerca de 80% dos pacientes que chegam a estado crítico estão morrendo. Em Cuba, com o uso dessas drogas, 80% das pessoas em estado crítico ou grave estão sendo salvas", disse o presidente Miguel Diaz-Canel nesta quinta durante reunião exibida na televisão estatal.

Os cientistas cubanos, no entanto, alertam que ainda são necessários grandes estudos controlados por placebo para avaliar a segurança e eficácia desses medicamentos. Mas as autoridades de saúde afirmam que os tratamentos experimentais ajudaram o país a alcançar uma taxa geral de mortes por Covid-19 de 4,2%, baixa em comparação com as médias regionais e globais de 5,9% e 6,6%, respectivamente.

Dados oficiais sugerem que Cuba tem se saído bem ao conter a pandemia. O país registrou menos de 20 casos por dia na semana passada, abaixo do pico de 50 a 60 em meados de abril. As autoridades de saúde relataram apenas duas mortes relacionadas à Covid-19 nos últimos nove dias. No total, a ilha com população de 11 milhões de habitantes registra 1.916 casos e 81 óbitos.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.