Decisão de Celso de Mello sobre sigilo de vídeo citado por Moro será divulgada nesta sexta

Agência O Globo |

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), vai publicar nesta sexta-feira a decisão sobre a divulgação ou a manutenção do sigilo do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, citada pelo ex-ministro Sergio Moro como uma das provas da interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. A decisão deve ser publicada até as 17h.

A defesa de Moro defende que a íntegra da gravação seja tornada pública, enquanto a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da República (PGR) argumentam que apenas os trechos relacionados diretamente com o inquérito em curso na Corte sejam revelados.

O ministro começou a assistir ao vídeo na segunda-feira, depois de receber o arquivo de uma equipe da Polícia Federal. Os peritos da PF já concluíram a transcrição do vídeo, que tem cerca de duas horas. A AGU já anexou ao inquérito a transcrição de alguns trechos:

"Eu não posso ser surpreendido com notícias. Pô, eu tenho a PF que não me dá informações; eu tenho as inteligências das Forçar Armadas que não têm informações, a ABIN tem os seus problemas, tem algumas informações, só não tem mais porque tá faltando realmente… temos problemas… aparcelamento, etc. A gente não pode viver sem informação. Quem é que nunca ficou atrás da… da… da… porta ouvindo o que o seu filho ou a sua filha tá comentando? Tem que ver pra depois… depois que ela engravida não adiante falar com ela mais. Tem que ver antes. Depois que o moleque encheu os cornos de droga, não adianta mais falar com ele: já era. E informação é assim", disse Bolsonaro na reunião.

Em seguida, é feito um comentário sobre "nações amigas", não transcrito pela AGU. Bolsonaro completa: "Então essa é a preocupação que temos que ter: a questão estratégia. E não estamos tendo. E, me desculpe, o serviço de informação nosso — todos — é uma vergonha, uma vergonha, que eu não sou informado, e não dá para trabalhar assim, fica difícil. Por isso, vou interferir. Ponto final. Não é ameaça. Não é extrapolação da minha parte. É uma verdade."

Como O GLOBO revelou, três fontes que assistiram ao vídeo afirmaram que Bolsonaro defendeu mudanças na PF para evitar que amigos e familiares fossem prejudicados por investigações em curso. Moro deixou o governo após a exoneração do delegado Maurício Valeixo da direção-geral da corporação. Segundo o ex-ministro, o presidente queria interferir no comando da PF em superintendências locais, como Rio e Pernambuco.

Um dos primeiros atos do novo diretor-geral da PF, Rolando de Souza, foi trocar a chefia da corporação no Rio. O interesse do presidente na superintendência da PF no estado é um dos pontos principais da investigação. Antes de Souza ser escolhido para o posto, o STF barrou a nomeação do delegado Alexandre Ramagem, que atuou na segurança de Bolsonaro no fim de 2018, entre o fim do segundo turno e a posse.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.