Pesquisadores da UFRRJ criam sistema que ajuda a diagnosticar coronavírus

Ana Cristina Campos | Agência Brasil

Pesquisadores da UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) desenvolveram um sistema chamado XrayCovid-19, que utiliza inteligência artificial para auxiliar a área de saúde no diagnóstico da covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

A ferramenta está em fase experimental no OpenLab do Programa de Pós-graduação em Humanidades Digitais. Com a avaliação de uma radiografia do tórax, o sistema verifica se a imagem tem o padrão associado à pneumonia covid-19, à pneumonia comum ou a nenhuma das duas.

Os professores Leandro Rolim e Filipe Braida, do Departamento de Ciência da Computação do Instituto Multidisciplinar, Campus Nova Iguaçu, da UFRRJ, começaram a montar o sistema de identificação da covid-19 a partir de uma base pública de imagens de radiografia de pacientes da Itália, um dos países mais atingidos pela doença.

“Fizemos um modelo de inteligência artificial que dá o diagnóstico a partir dos padrões de imagens de radiografia. Ao mesmo tempo, elaboramos um sistema integrado de fácil uso que funciona no computador ou no celular. A ferramenta consegue dar o diagnóstico com velocidade e pode ajudar o profissional de saúde na triagem”, afirmou Rolim.

Para a elaboração da ferramenta, os pesquisadores já receberam mais de 300 radiografias de pacientes brasileiros. O próximo passo será incorporar na pesquisa as imagens de tomografias e os sintomas relatados por pacientes.

Segundo Rolim, a ferramenta tem algumas funcionalidades: auxílio ao médico na tomada de decisão e na triagem de pacientes nas unidades de saúde, coleta de estatísticas de doenças respiratórias e pulmonares, montagem de um banco de dados integrado para a pesquisa, mantendo a privacidade dos pacientes, além de ser útil na telemedicina.

Rolim destaca que a dificuldade de realização de testagem em massa do coronavírus leva a uma subnotificação dos casos. O aplicativo desenvolvido na UFRRJ, que também conta com a colaboração do médico Erito Marques, do Departamento de Tecnologia e Linguagens, e do professor Rodrigo Tavares, do Departamento de Direito, pode ser mais um recurso na detecção dos casos.

A proposta é disponibilizar a ferramenta para contribuir com o sistema público de saúde no enfrentamento da pandemia. Os professores estão iniciando contatos com pesquisadores da área de saúde de diversas universidades e centros de pesquisa para estabelecer parcerias para o aperfeiçoamento do sistema, a definição dos melhores protocolos para a sua utilização e o desenvolvimento de novos recursos baseados na mesma tecnologia.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 13 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.