QUARESMA EM QUARENTENA

Carlito Paes Bacharel e Mestre em Teologia |

autor de mais de 20 livros |

pastor Líder da Igreja Batista da Cidade de São José dos Campos |

palestrante sobre liderança. Colunista Quinzenal de OVALE |

Estamos vivendo um tempo único, uma quaresma em quarentena domiciliar. É algo desafiador para todos nós! É também uma ocasião especial para refletirmos sobre a vida e morte de Jesus. Neste domingo chegamos ao The Palm Sunday ou, como conhecemos no Brasil, o Domingo de Ramos. Com ele iniciamos a mais importante celebração da fé cristã, a Semana Santa.

Domingo de Ramos celebra a entrada de Jesus em Jerusalém montado em um jumentinho emprestado - símbolo de humildade - e aclamado pelo povo que O aplaudia dizendo "Hosana Àquele que vem em nome do Senhor!", abanando ramos de palmas. Esse mesmo povo testemunhara maravilhado há poucos dias Jesus ressuscitar Lázaro, e tinha agora a certeza de que ele era o Messias anunciado pelos profetas aos judeus. Porém, boa parte deste povo e até alguns discípulos pensavam que Jesus seria um Messias político, um libertador que arrancaria Israel das garras de Roma e lhe devolveria o apogeu dos dias dos reis de Israel.

Para deixar claro que Ele não era um Messias político, mas o grande libertador do pecado - a raiz de todos os males - Jesus entrou em um jumentinho na grande Jerusalém, cumprindo assim profecias do Antigo Testamento. Jesus não é um Rei deste mundo!

Sua entrada triunfal em Jerusalém foi um prelúdio de Sua entrega e paixão. A mesma multidão que O saudou em breve pediria Sua morte. Jesus conhecia o coração dos homens e não estava iludido. Quantas lições nos deixa o Domingo de Ramos! Quem gosta de viver iludido pela fama popular - incluindo líderes políticos de nossos dias - precisa saber que o mesmo povo que aclama no domingo é o mesmo que crucifica na sexta-feira.

Jesus nos ensinou que o Seu Reino não é deste mundo. Que Ele não veio para derrubar César ou Pilatos, mas para destruir um inimigo muito pior e invisível: o pecado. Ele não é um imperador; é um rei de amor que Se entrega por Seu povo, para a redenção de todos nós. Para isso, passou para morte então destruí-la, perdeu a vida para ganhá-la. Jesus morreu a nossa morte para que pudéssemos herdar Sua vida.

Domingo de Ramos ensina-nos que nossa luta não é sobre pessoas, mas contra a desobediência e o mal. Que servir a Cristo é renunciar a si mesmo, como um grão de trigo que morre na terra para então dar fruto. Ele nos tira do comodismo e hedonismo para nos colocar diante Daquele que veio nos salvar. O apóstolo Paulo nos ensinou: "'Onde está, ó morte, a sua vitória? Onde está, ó morte, o seu aguilhão?' Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo" (1 Co 15:55,57). Um dos pais da igreja, Irineu de Lion, disse: "[Jesus] se tornou o que somos, mas nos tornamos o que Ele é". Tenha uma abençoada semana em casa e celebre, porque o Domingo de Páscoa, Domingo de Ressurreição, logo chegará!.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 8,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.