Breve reflexo sobre a vida em tempo de guerra

Hlcio Costa jornalista e diretor da empresa Matria Consultoria & Mdia |

Meu pai era mdico e por isso, com toda certeza, levo muito a srio o que dizem os mdicos. Posso nem sempre concordar com eles, mas levo. Dito isso, confesso: nem sempre foi assim. At os 50 anos, vivi como se fosse imortal. A vida foi boa e perdoou a minha ousadia. Permaneo por aqui.

Depois, cruzando o Cabo da Boa Esperana, veio a presso alta e cuidados aqui e ali. Mas, vira e mexe ainda sou o paciente teimoso, atraso entrega de exames to logo me sinta bem, para irritao da minha mulher e dos meus filhos, Felipe, o caula, em especial. Voltando ao comeo desse texto, no entanto, levo sempre muito a srio o que os mdicos dizem. Por isso, to logo surgiram as primeiras informaes sobre o novo coronavrus, passei a acompanhar a evoluo da Covid-19 com ateno e, especialmente, o que os mdicos diziam sobre o vrus e a doena. E o que eles diziam (e dizem) srio: vamos viver dias difceis, ameaados por um vrus para o qual ainda no h cura, dias que vo mexer com a nossa vida, com a sade e a economia, dias de sofrimento e morte. O que fazer? Como sobreviver como pessoa, como sociedade?

A arma mais eficaz que temos, at agora, o tempo.

Mesmo que muitos teimem em desperdia-lo, como faz, o presidente Jair Bolsonaro, o tempo que nos protege. Tempo usado para retardar a disseminao do vrus. O "achatar da curva", como dizem os especialistas. Tempo usado em busca da cura. Tempo usado para montar estratgias que permitam que a sociedade continue a funcionar em meio crise. Tempo usado para redesenhar mtodos, processos, nosso cotidiano.

Tenho trabalhado muito, mais que o normal, acho que nunca trabalhei tanto, em busca de sadas. Mas quase sempre em casa. Reunies? Diversas, mas on-line. Equipe? Todos em casa. Saio pouco: supermercado, padaria, banco, alguma entrevista. Fao contas, de olho no futuro. Tirei um tempo para colocar a leitura em dia.

Gostei muito de "Beije-me onde o Sol no alcana", de Mary del Priore, que traz, entre seus personagens, uma parente distante, Ana Clara Breves de Moraes, Nicota, sobrinha do maior produtor de caf do Brasil no Segundo Imprio. Recomendo. Acompanho as postagens de Emanuel Fernandes e seu dirio de um dia da crise. "Insight: ler um livro uma forma de ouvir gente que est longe no espao e no tempo", escreveu ele, outro dia, o 17o da quarentena. Pelo zap, troco receitas com filha Marina, que mora em Curitiba. Me preocupo com meus filhos, que saem para trabalhar. Quanto tempo tudo isso vai durar? Antes de melhorar, vai piorar? Vai melhorar?

Sem resposta, levo a srio o que dizem os mdicos. Fico em casa. Quase sempre..

Assinar OVALE

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi to lido. So mais de 8,5 milhes de acessos por ms apenas nas plataformas digitais, alm da publicao de quatro edies impressas por dia. O importante que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem lder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crtico, plural, moderno e apartidrio. Informao com credibilidade, imprescindvel para a construo de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notcia a verdade. E ns assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalstica da regio.