No Dia da Mentira, OVALE alerta contra a epidemia de fake news nas redes

Ministério da Saúde, a Fiocruz (Fundação Instituto Oswaldo Cruz), no Rio de Janeiro, e a Secretaria Estadual da Saúde, em São Paulo, criaram páginas em seus sites na internet para desmentir as falsidades sobre a pandemia

Xandu [email protected] | @xandualves10

Não é só o novo coronavírus que vem se disseminando pelo país com uma velocidade estonteante. Também as notícias falsas (fake news) propagam-se pelos ambientes virtuais numa rapidez estrondosa, e fazendo estragos.

Neste dia 1º de abril, celebrado como "Dia da Mentira", OVALE defende o trabalho da imprensa, que vem sendo constantemente atacada, na divulgação de informações e orientações verdadeiras sobre a nova pandemia do coronavírus.

OVALE compilou as principais notícias falsas em circulação.

O caso das fake news é tão sério que o Ministério da Saúde, a Fiocruz (Fundação Instituto Oswaldo Cruz), no Rio de Janeiro, e a Secretaria Estadual da Saúde, em São Paulo, criaram páginas em seus sites na internet para desmentir as falsidades.

"A Fiocruz reforça a importância de compartilhar informações de fontes confiáveis e seguras", diz a Fundação.

O Ministério da Saúde foi mais longe e anunciou um número de telefone, via Whatsapp, para receber de mensagens da população.

"O canal é um espaço exclusivo para receber informações virais, que serão apuradas pelas áreas técnicas e respondidas oficialmente se são verdade ou mentira", informou a pasta.

O sistema contra as notícias falsas funciona pelo número é (61) 99289-4640.

"Qualquer cidadão poderá enviar gratuitamente mensagens com imagens ou textos que tenha recebido nas redes sociais para confirmar se a informação procede, antes de continuar compartilhando", completou o ministério.

Entre as falsidades mais divulgadas na internet, estão as que apontam chás e água quente como capazes de matar o coronavírus, ou gargarejo com água, sal e vinagre para exterminar o vírus. Falso.

Grupo da Unicamp investiga fake news sobre coronavírus

O Grupo de Estudos da Desinformação em Redes Sociais da Unicamp (Universidade estadual de Campinas) criou uma hotline no WhatsApp para onde qualquer pessoa pode encaminhar fake news relacionadas ao coronavírus. O número é (19) 99327-8829.

A ideia é reunir uma grande quantidade de notícias falsas para criar um banco de dados, classificar as informações e identificar alguns padrões para combatê-las, como as motivações que levaram aos compartilhamentos e suas fontes.

Até a semana passada, o grupo havia reunido cerca de 8 mil informações. Os pesquisadores trabalham na criação de um sistema automático que faça o processamento das mensagens.

Macaque in the trees
Principais ‘Fake News’ do coronavírus

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 8,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.