Governo já mobilizou R$ 750 bilhões contra coronavírus, diz Guedes

Entre as medidas está o pagamento de R$ 600 a trabalhadores informais. Ministro comparou benefício a valor concedido pelo governo dos Estados Unidos para o caso

Das agê[email protected] | @jornalovale

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o governo federal investiu cerca R$ 750 bilhões para combater o impacto do que chamou de primeira onda da pandemia do novo coronavírus no Brasil. Ele participou de entrevista coletiva na tarde desta terça-feira) ao lado dos ministros Sergio Moro, da Justiça e Segurança Pública, e Luiz Henrique Mandetta, da Saúde.

Entre as medidas econômicas citadas por Guedes, estão a antecipação de 13º para aposentados e pensionistas e a inclusão de 1,2 mihão de famílias no Bolsa Família. O cálculo leva em conta ainda do valor total investido por conta da pandemia inclui ainda cerca de R$ 50 bilhões destinados a complementação salarial, empréstimos para as empresas manterem capital de giro, R$ 150 bilhões em diferimentos de impostos e R$ 88 bilhões destinados a proteção da saúde em estados e municípios.

Além disso, entra na conta o auxílio emergencial aos informais, que será estendido ao Bolsa Família, que prevê o pagamento de R$ 600 por três meses a brasileiros que trabalham na informalidade. A medida ainda depende de trâmites burocráticos para ser liberada. "É a maior rede de proteção social que já foi estendida. São entre R$ 70 bilhões de R$ 80 bilhões para a defesa da saúde do brasileiro", afirmou o ministro. Guedes afirmou que o valor se compara ao benefício concedido pelo governo norte-americano, de US$ 1,2 mil. "É da mesma ordem de magnitude", declarou.

O ministro estima que o montante corresponde a 2,6% do PIB. "Já tinhamos déficit estrutural de 2,6%. Estamos em 5,2% em déficit global e vamos subir. O presidente deixou claro: não vamos deixar nenhum brasileiro pra trás. Todos os esforços pela saúde e emprego dos brasileiros serão mobilizados", disse Guedes.

Guedes afirmou que trabalha junto à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, para garantir que a safra agrícola chegue às cidades e articula com o ministro dos Transportes, Tarcísio Gomes de Freitas, a manutenção do abastecimento.

MANDETTA.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, reforçou nesta terça a orientação de que as pessoas mantenham medidas de isolamento social como forma de retardar a velocidade de transmissão do novo coronavírus no país.

"Nós vamos trabalhar com o máximo de planejamento, e no momento nós vamos fazer sim o máximo de distanciamento social para que a gente possa, chegando ao ponto de falar: 'estamos mais preparados, entendemos aonde vamos'. Aí a gente vai liberando e monitorando pela epidemiologia", disse Mandetta.

O ministro da Saúde afirmou que o governo não adotará medidas que possam colocar em risco a saúde da população e pediu união para enfrentar a crise.

"Nós não vamos fazer medidas que sejam arriscadas para o nosso povo enquanto nós não tivermos condições de trabalho. Nós não somos também um país que não está investindo em condições para que o povo enfrente [a pandemia], vocês viram aqui os números do ministro Guedes, falamos em quantos bilhões de reforço para as pessoas", disse Mandetta..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 8,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.