Ministra avalia que mercado dos EUA voltará a comprar carne brasileira

Agência Brasil | [email protected]

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, disse hoje (5) acreditar na reabertura do mercado norte-americano para a carne brasileira, vetada por aquele país desde o início da Operação Carne Fraca, em 2017.

Tereza Cristina tem uma viagem marcada para os EUA no próximo dia 17, onde deverá se encontrar com secretário de Agricultura norte-americano, Sonny Perdue. “Eles querem apenas rever alguns pontos, a exemplo do que nós, no Brasil, fazemos com outros países. Os EUA são um excelente mercado e vamos reabrir sim esse mercado. Agora vamos ver o dever de casa que temos de fazer’, disse a ministra após participar do 1º Congresso Brasileiro de Gestores da Agropecuária, em Brasília.

A ministra, no entanto, se diz “decepcionada” com as dificuldades impostas pelo governo dos Estados Unidos. “Achei que a gente já tinha cumprido todas as etapas. Mas isso é mercado internacional e é assim que funciona. Quem manda é quem está comprando. Então vamos lá para ver o que pode ser feito ou revisto”.

Tereza Cristina vê, na abertura do mercado chinês para carnes e miúdos brasileiros, uma boa oportunidade para o país compensar a perda de mercado nos EUA. “Temos certeza de que boas coisas acontecerão ainda neste ano”, disse, referindo-se à habilitação de algumas plantas brasileiras para a exportação de miúdos à China. “Isso é uma coisa muito boa. Trabalhamos nisso desde maio. Agora vai se concretizar”.

Segurança alimentar

Coordenador da Frente Parlamentar da Agropecuária, o deputado Alceu Moreira (MDB-RS) disse que, tanto os EUA como a Europa, poderão ter problemas, em especial de segurança alimentar, caso continuem a fazer “jogo duro” com os produtos agropecuários brasileiros.

"Eles podem resistir como quiserem, mas eles precisam garantir a segurança alimentar. E o volume de produção de alimentos no mundo é finito", disse o coordenador da bancada.

Segundo Moreira, caso o poder aquisitivo dos países asiáticos e periféricos da China mantenha a tendência de crescimento, em dez anos os produtores brasileiros terão acesso a um mercado consumidor dez vezes maior que o brasileiro. “São 2 bilhões de pessoas”, disse o deputado.

Assistência técnica

Ainda durante o congresso de gestores da agropecuária, Tereza Cristina reiterou o interesse do governo em ampliar a assistência técnica a pequenos produtores. Segundo ela, o ano de 2019 teve como desafio o de planejar e organizar a forma como essa assistência será dada em 2020.

“Será meu maior desafio à frente do ministério no ano que vem. Temos uma obrigação com nossos pequenos produtores. Precisamos fazer assistência técnica. Já temos um programa para 100 mil pequenos produtores no Nordeste brasileiro: o Agronordeste, que está saindo do papel”, disse. “E temos mais de 1 milhão que poderemos colocar urgentemente nessa linha de produção mais organizada. Não queremos agricultor abandonando sua propriedade para morar na periferia e ter um subemprego nas grandes cidades”.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.