Logo Jornal OVALE

Desemprego chega a 18% da população em Taubaté, revela Nupes

Taxa de desocupados é maior do que a média nacional e representa alta de 12% em seis meses

http://www.ovale.com.br |

A taxa de desemprego em Taubaté foi de 18,18% em abril deste ano, segundo a Pore (Pesquisa de Ocupação, Renda e Escolaridade), do Nupes (Núcleo de Pesquisas Econômico-Sociais). Os dados foram divulgados nesta sexta-feira.

Trata-se de um índice superior à taxa nacional, de 12,3% no trimestre encerrado em maio, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). “A taxa local ainda está muito elevada ao se comparar com o índice médio de desemprego do país”, avalia o Nupes.

Na comparação com o último levantamento, em novembro do ano passado, a quantidade de desempregados em Taubaté registrou aumento de 12%, com a taxa passando de 16,26% para 18,18%.

Na avaliação do economista Edson Trajano, pesquisador do Nupes, dois fatores contribuíram para o aumento do desemprego na cidade: a não efetivação dos empregos temporários de final de ano e o impacto da crise econômica, mais sentida em Taubaté por ser “cidade industrial”, notadamente “por sua exposição ao setor automobilístico e metalúrgico”.

Já na comparação com abril de 2018, o desemprego apresentou pequena redução no período: 20,09% para 18,18%, recuo de 9,5%. Também é a menor taxa de desocupados desde 2016 (22,2%) e 2017 (23,03%), a maior da série histórica do Nupes. Porém, a taxa de abril de 2019 supera todas as outras entre 2008 e 2015.

D acordo com o Nupes, a queda em um ano se reflete, principalmente, pelo crescimento do emprego por conta própria com a expansão do MEI (Microempreendedor Individual).

Por outro lado, a alta do desemprego desde novembro se dá por “desistência de procura por ocupação, em conformidade com a realidade nacional”. Segundo o IBGE, o país tem 13 milhões de desempregados.

Ainda segundo o Nupes, a população ocupada em Taubaté passou de 79,92% em abril do ano passado para 83,76% em novembro, caindo para 81,82% em abril deste ano.

PERFIL.

Houve recuo do desemprego nas duas faixas etárias analisadas pelo Nupes. A de menores de 24 anos caiu de 38,64% para 27,91%, comparando 2018 a 2019. Para os com mais de 24 anos, o índice recuou de 16,02% para 14,53%.

Segundo o Nupes, os dados revelam “dificuldade de inserção dos jovens no mercado de trabalho formal, que tem se mostrado incapaz de absorver a todos”.

A taxa de desemprego em Taubaté é maior entre aqueles cursando ou que se formaram no ensino médio (20,34%), seguido do fundamental (17,65%) e do superior (14,71%).

O desemprego cresceu mais entre as mulheres, que passaram de 19,38% para 21,43%. Entre os homens, o índice caiu de 20,39% para 14,81%.

Quanto ao setor de atividade econômica, o que mais emprega em Taubaté, segundo o Nupes, é serviços (46,67%), seguido de comércio (35%), indústria (11,67%), construção civil (6,11%) e agricultura (0,56%).

Do total de 438 pessoas entrevistadas para a pesquisa, 63,89% disseram-se “assalariado registrado” ou “funcionário público”, 16,67% “autônomos que não pagam o INSS” e 11,67%, “autônomos que pagam”. Os “profissionais liberais ou empregadores” foram 3,33%, com 4,44% de “estagiários”.

SALÁRIO.

A pesquisa também mostra a remuneração dos trabalhadores ocupados em Taubaté, em abril de 2019. A indústria apresenta o maior salário médio, com R$ 2.616,67, seguida de comércio e construção civil, com R$ 2.004,52 e R$ 2.000, respectivamente. Serviços e agricultura remuneram menos, com R$ 1.903,37 e R$ 1.300. A remuneração média do taubateano está em R$ 2.025,48.