Pais e escolas buscam alternativas para o pagamento das mensalidades

Sem regra legal, para especialistas, o ideal buscar equilbrio e transparncia ao longo da negociao como forma de amenizar no bolso os efeitos do isolamento social por causa do coronavrus

Brbara Stephanie Monteiro | @Barbara_Ovale

Honrar as mensalidades na íntegra, pedir descontos ou solicitar a interrupção dos pagamentos? Esse é o embate dos pais com as instituições de ensino, muitas delas fechadas desde o anúncio do isolamento social imposto pelo coronavírus. Essa é a situação em que está a designer de interiores Christiane Costa da Silva, de São José dos Campos, que conseguiu desconto de 40% no valor das mensalidade e algumas opções de pagamento para compensar.

Sua filha, de um ano e 10 meses, está iniciando a vida acadêmica. “A Eva tem contos diários de 30 minutos duas vezes ao dia. Mas, criança dessa idade não fica concentrada por muito tempo. E uma das principais funções da creche é ser um lugar seguro em que os pais podem deixar os filhos para ir trabalhar”, contestou.

“Não é justo não ter nenhuma redução na mensalidade. A escola está com menos gastos fixos como energia e água. Por outro lado, não concordo com a suspensão total do pagamento porque isso implica em demissões”, continuou. Mas o que dizem as escolas? De acordo com a Fenep (Federação Nacional das Escolas Particulares), a interrupção das atividades presencial é uma situação incomum e as instituições de ensino estão buscando meios para que esses transtornos sejam minimizados.

“É necessário termos claramente que toda rede particular dará às 800 horas obrigatórias e, principalmente, irá realizar o trabalho contratado”, garantiu a federação por meio de nota. Dessa forma, pedidos de descontos são equivocados. “Estamos orientando as escolas para que estudem alternativas junto a seus contratantes. Mas, cabe a cada uma decidir, na medida do seu planejamento pedagógico e financeiro, se poderá fazer qualquer abatimento”, enfatizou a Fenep.

POLÊMICA.

O assunto é alvo de discórdia entre pais e mestres. O especialista em direito civil Jonathan Florindo afirma que antes de negociar o desconto alguns pontos devem ser analisados. “É importante ter claro se as aulas on-line está sendo satisfatórias para o aluno, ou seja, não está ocorrendo perdas na qualidade do ensino. Nesse caso a mensalidade deve ser paga 100%”, defendeu.

“Mas, se o método não atender o mesmo nível de qualidade das aulas presenciais, os estudantes poderão avaliar o seu grau de contentamento com o serviço prestado, e buscar negociar junto às escolas o pagamento do valor correspondente ao serviço recebido naquele momento”, orientou.

Mas esse julgamento não é tão simples assim. Afinal, como os pais irão saber se o nível de aprendizado está sendo satisfatório? Por isso, segundo o profissional, o bom-senso deve predominar. Entretanto, pais que desejam suspender o trato temporariamente devem ficar atentos.

“Pelo Código de Defesa do Consumidor, o contrato pode ser quebrado já que a forma de serviço foi alterada sem a autorização do contratante - o que é uma infração contratual. Já uma suspensão momentânea irá depender da anuência da outra parte, regulando-se o tempo no qual acontecerá, especialmente se a escola houver implantado o ensino a distância”, informou Florindo.

OBJETIVO COMUM.

Janaína Dias, gestora do Grupo Opção, de São José, defende que estes obstáculos não devem ser analisados como um embate e sim como um grande desafio que as famílias e as instituições terão que enfrentar juntos. “Estamos buscando fazer o melhor pelos nossos jovens e crianças. Os colégios não têm apenas a função de passar conteúdos, mas também de estar presente na vida do aluno, principalmente, neste momento em que todos estão apreensivos”, ressaltou.

A gestora explica que se criou uma falsa impressão de que o ensino particular está tendo algum tipo de redução de custo. “O principal impacto no fluxo de caixa está sendo com a folha de pagamento, a parte tributária e o aluguel do espaço. Os custos variáveis como água e luz tem um significado muito pequeno na soma de todos os gastos, ainda mais quando se tem um número de inadimplência como agora. Isso é algo que está crescendo a passos largos”, compartilhou.

A escola optou por seguir cobrando a mensalidade em seu valor integral. “No momento esta é a única alternativa para continuarmos fazendo nosso trabalho e nos conectando com as famílias e os estudantes de forma funcional. É importante termos em mente que ninguém consegue implantar um sistema digno que leve resultados satisfatórios sem investimento em plataformas, treinamentos e em horas de trabalho da equipe”, ponderou.

O colégio Anglo Cassiano Ricardo, também de São José, também optou por manter a cobrança na integra, mas ressalta que os pedidos de renegociação foram atendidos. “Nossas aulas acontecem em ambiente virtual com a mesma qualidade do modelo presencial. O ensino remoto foi a única possibilidade de continuidade do processo ensino e aprendizagem diante do cenário da Covid-19”, enfatizou a diretora do colégio Mônica Y. Kukita Gonçalves.

Para a diretora, a colaboração dos estudantes é fundamental. “É importante que o aluno desenvolva autonomia, responsabilidade e proatividade. Disponibilizamos material para a sala de aula invertida, aulas on-line ao vivo e gravadas. Todos estão recebendo suporte”, finalizou Mônica.

EM CASA.

O estudante Moisés da Silva Barbosa de Paula, de Taubaté, que está no 8º ano, em uma rede particular da cidade tem vivido isso na pele. “Moisés é um excelente aluno e se adaptou muito bem ao sistema á distância. Não interferiu em nada na sua dedicação aos estudos”, contou a mãe, Márcia da Silva Barbosa. Ainda segundo ela, a instituição está sendo “super parceira” e não deixou a desejar.

SERVIÇOS AO CONSUMIDOR.

Em tempo, o Procon de São José dos Campos informou que adotou a campanha “Contrato não é papel, contrato tem rosto”, com o intuito de reunir entidades civis e não governamentais para que as partes cheguem a um consenso, dando maior equilíbrio nas relações. Mas salienta que o ideal é que os contratantes evitem pedir o desconto mas mensalidades “a fim de não causar um desarranjo na programação anual do colégio, o que poderia até impactar o pagamento de salários de professores e contratos de aluguel”, informou o órgão.

Os serviços do Procon, podem ser solicitados pelo site: clique aqui ou pela plataforma “Procon São José dos Campos”. O atendimento presencial deve ser evitado por questões de segurança. 

Assinar OVALE

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi to lido. So mais de 23 milhes de acessos por ms apenas nas plataformas digitais, alm da publicao de quatro edies impressas por dia. O importante que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem lder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crtico, plural, moderno e apartidrio. Informao com credibilidade, imprescindvel para a construo de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notcia a verdade. E ns assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalstica da regio.