Filmes sobre epidemias ganham interesse do público

Da redação @jornalovale | @jornalovale

Em tempos de pandemia do coronavírus, a principal orientação dos órgãos de saúde é que todas as pessoas fiquem em casa o máximo possível, indo para a rua somente em casos de extrema necessidade.

O fato também criou um efeito curioso: aumento do interesse do público por filmes relacionados a epidemias. Não são poucas as produções que tratam de temas semelhantes, e algumas delas chegaram a fazer sucesso. Muitas delas tratam das epidemias, também, como ficção-científica como pano de fundo.

O caso mais conhecido talvez seja o filme 'Eu Sou a Lenda', de 2007, protagonizado pelo astro Will Smith e com a atriz brasileira Alice Braga em seu elenco. Adaptação de um livro homônimo, o longa conta a história de um virologista que se torna imune a um vírus que, originalmente, foi criado para tentar curar o câncer. No entanto, tudo dá errado, e o vírus acaba matando 90% da população -- e transformando a maioria dos sobreviventes em vampiros. Vivendo em uma Nova Iorque pós-apocalíptica depois da propagação da doença, ele tenta buscar a cura e alcançar uma colônia de sobreviventes que termina descobrindo durante a trama.

OPÇÕES.

Uma produção elogiadíssima e também que trata sobre endemia é 'Ensaio Sobre a Cegueira', dirigida pelo brasileiro Fernando Meirelles (de Cidade de Deus), baseada no livro de José Saramago.

No longa, um homem diz ter ficado cego e, depois de visitar o oftalmologista, descobre que todas as pessoas com quem teve contato também não conseguem enxergar. A solução do governo é diferente: colocar todos os doentes em quarentena, em um espaço com segurança fortemente armada, o que traz um interessante debate sobre a natureza e a bondade do homem.

O filme tem em seu elenco nomes como Mark Ruffalo, Julianne Moore e Danny Glover, e foi produzido em conjunto entre Japão, Brasil e Canadá, com filmagens em São Paulo.

Entre outros filmes com temas relacionados e que fizeram relativo sucesso, também é possível citar 'Os Doze Macacos', 'Contágio', 'Sentidos do Amor', 'Guerra Mundial Z' e 'O Enigma de Andrômeda'..

 

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.