Livro juvenil conta história de busca por respostas sobre mistério ufológico

Thais Perez @_thaisperez | @_thaisperez

Punks, Discos Voadores e Hippies. Junte tudo e adicione à Monteiro Lobato, uma cidadezinha localizada ao lado de São José dos Campos, com pouco mais de 4 mil habitantes.

A roça brasileira sempre combinou com o mistério, ainda que o conceito americanizado de ficção científica permeie o imaginário popular. Seu silêncio, a desconfiança de seus moradores e seus locais sagrados são receita para um grande enredo.

"As Pirâmides Revolucionárias" é um livro de Thuder Dellú, que depois de escrever contos de terror para adultos, resolveu se aventurar pela primeira vez em um romance juvenil.

"Quando me sentei para escrever o romance, procurei me concentrar nas grandes paixões da minha vida. Partindo deste princípio, considerei que uma história juvenil seria mais apropriada para encaixar estes assuntos tão intensos e íntimo", afirma o escritor.

A trama se passa no ano de 1986 e começa no dia 9 de fevereiro, quando o Cometa Halley passou pelo Planeta Terra. Dois amigos presenciam o momento histórico e escutam vozes estranhas durante a passagem do Halley.

A partir daí, os dois partem em uma jornada de autoconhecimento, fantasias, novas amizades, realidades e muito rock'n'roll.

A primeira parte do romance é ambientada na pequena cidade de Monteiro Lobato e descreve as tradições locais, como os bonecos "Pereirões", as festas populares e o misticismo popular com a precisão de quem os conheceu bem de perto. Já a segunda parte começa com uma viagem por cidades do sul de Minas Gerais e termina na mística São Thomé das Letras.

Durante a caminhada, os protagonistas se deparam com situações e refletem sobre racismo, ditadura militar, capitalismo, passando por questões existenciais e humanas pertinentes à idade. Para ele, a essência do punk é contestadora e por isso esses temas permeiam o enredo.

"Escolhi a literatura juvenil por considerar que os jovens, ao contrário de muitos adultos, ainda estão abertos a um futuro menos repressor e retrógrado", explica o autor.

Thunder, que tocou em uma banda de rock por dezesseis anos, com a qual percorreu o Vale do Paraíba. "A música, principalmente o rock'n'roll, percorre todo o romance, do primeiro ao último parágrafo".

O escritor ainda ressalta a importância de retratar o interior de São Paulo tanto por conhecer bem a cidade de Monteiro Lobato, quanto pela identificação dos leitores.

"A identificação é imediata quando você ambienta adequadamente a história. A pessoa se reconhece naquele local", finaliza..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.