Logo Jornal OVALE

Feira Litero Musical de São José terá português Valter Hugo Mãe

Thais [email protected]_thaisperez | @_thaisperez

"Tu". A palavra que pode significar você, vosmecê, o outro, segunda pessoa do singular. Apenas tu, formada por duas letras, que soa tão retumbante nas cordas vocais, forte como um trovão.

Esse tu, que é lusitano, tupi guarani ou angolano, clássico ou coloquial, é o tema central da Flim (Feira Litero Musical) 2019, que acontece entre os dias 13 e 15 de setembro no Parque Vicentina Aranha, em São José dos Campos.

Convergindo linguagens, modos de fala, gírias e sotaques, a Flim deste ano vai explorar a expressão de si mesmo através da visão do outro.

Para dar início a essa reflexão, a feira anuncia com exclusividade ao OVALE a presença do escritor português Valter Hugo Mãe, autor de livros como "O Filho de Mil Homens" e "Homens Imprudentemente Poéticos".

Ele fará parte de uma mesa literária ao lado de Conceição Evaristo, escritora que iria integrar a programação na Flim 2018, mas teve que cancelar sua participação para cuidar de sua saúde.

"Os dois vão ter uma conversa em torno do que é escrever em português de Portugal, e o que é escrever em português do Brasil, com todas as suas influências. É um conversa maravilhosa que vai gerar nesse encontro, onde as diferenças se esbanjam", disse o escritor Marcelino Freire, curador da festa literária.

Nascido em 1971 na cidade de Henrique de Carvalho, na Angola Valter Hugo está lançando seus três últimos romances em uma turnê pelo Brasil. Seus quatro primeiros romances de são conhecidos como "a tetralogia das minúsculas", escritos integralmente sem letras capitais, para chamar a atenção para a natureza oral dos textos e recondução da literatura à liberdade primeira do pensamento. Em 2007, o escritor atingiu o reconhecimento público com o recebimento do Prêmio Literário José Saramago para a obra "O Remorso de Baltazar Serapião".

Conceição Evaristo, que tem 72 anos, nasceu uma favela de Belo Horizonte (MG), trabalhou como empregada doméstica e mudou-se para o Rio de Janeiro, onde graduou-se em Letras.

Hoje, Conceição é doutora em Literatura, pela Universidade Federal Fluminense, e uma das mais reconhecidas autoras, com um prêmio Jabuti por "Olhos d'Água" (2014).

Outras atrações da Flim 2019 devem ser anunciadas em breve. Neste ano, uma das novidades é a residência literária, ação inédita que convida escritores da região a participarem de uma seleção para uma vivência de imersão literária com a curadoria da festa.

As inscrições pode ser feitas até este domingo.

DESPEDIDA.

De acordo com ele, a temática da feira neste ano deve estreitar as relações entre todas as pessoas e nações.

"Esse 'tu' é um grande espelho. É essa grande mistura. Vamos refletir sobre o papel de cada um nessa sociedade, na arte, nesse brasil todo. Para mim, o papel cada um é que cada um seja estrela, ao mesmo tempo, dentro de uma grande expressão", explica Freire.

Depois de três anos a frente da Flim, Marcelino Freire vai deixar a curadoria do evento em 2020. O autor pernambucano, ganhador do Prêmio Jabuti pela suas obras "Contos Negreiros" e "Nossos Ossos", afirma que a festa precisa renovar os ares.

"Dessa forma, não vai tornar a curadoria algo viciado, algo confortável", disse Freire. Ele divide a curadoria com a escritora Carol Rodrigues, que deve assumir a curadoria no próximo ano..