Avanço da pandemia transforma 2021 em ano com recorde de mortes

Em menos de 10 dias, o Vale do Paraíba pode superar a marca de 4.000 pessoas mortas por Covid-19, uma população inteira da cidade de Areias

Xandu Alves | @xandualves10

Na direção do desastre.

A RMVale precisará de menos de 10 dias para alcançar uma marca indigesta: 4.000 pessoas mortas por Covid-19 --3.767 até quinta (15).

Esse número de vítimas da doença supera a população das três menores cidades do Vale, que não chegam a 4.000 habitantes cada uma. Arapeí tem 2.460 moradores, por exemplo.

É como se a região perdesse mais de uma cidade de Areias para a Covid, com todos os seus 3.896 habitantes condenados à morte pela doença, que colocou o mundo de joelhos.

E o que está muito ruim pode ficar ainda pior. Bem pior.

Modelo matemático criado pelo cientista Osmar Neto, doutor em Engenharia Biomédica e especialista em modelos epidemiológicos, revela que a região pode ter um pico ainda maior de mortes em maio, caso o isolamento continue em queda e os cuidados sanitários sejam negligenciados.

Neste cenário, o Vale pode ver a média de 31 mortes por dia de abril chegar a inacreditáveis 55 óbitos diários, o que seria desastroso sob quaisquer aspectos.

Nesse patamar, a região teria 385 mortes em uma semana, mais do que registrou entre setembro e dezembro de 2020 --355 mortes acumuladas.

"Se tivermos a cepa mais agressiva com maior circulação e as pessoas relaxando os cuidados, o pico de mortes será para maio", diz Neto.

Segundo ele, em um provável pico mais "realista", a região teria média de 40 mortes por dia durante uma semana. Na projeção mais "pessimista", o número sobe para 55 óbitos por dia, também ao longo de sete dias.

Ambos os cenários são catastróficos e só podem ser mudados se a taxa de isolamento subir --atualmente é uma das mais baixas da pandemia, inferior ao mínimo de 50%-- e os cuidados sanitários forem reforçados.

"Numa situação de comportamento das pessoas estável, estaríamos passando pelo pico com tendência de queda", afirma o cientista de São José.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido, assistido, curtido e compartilhado. São mais de 23 milhões de visualizações por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação da edição impressa, revistas e suplementos especiais. E sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Seja livre, seja OVALE. Viva a democracia. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.