'Há gente que não tem essa sorte de voltar para casa'

Em primeira pessoa, o enfermeiro Juliano Carvalho, 37 anos, de Caraguatatuba, conta como virou paciente e se curou da Covid-19 depois de 40 dias internado, sendo 21 na UTI

Juliano Carvalho Enfermeiro de Caraguatatuba | @jornalovale

Trabalho na Santa Casa de Caraguatatuba como enfermeiro, na ala Covid, e comecei a sentir os sintomas. Fiz o tratamento em casa e não melhorei. Fui para a UPA e para o Hospital Regional do Litoral Norte. Vejo isso acontecendo com pacientes, mas jamais imaginaria que fosse acontecer comigo. Tive fé.

A Covid rouba a sua força.

Eu não conseguia me comunicar, nem fazer gestos.

Não sei o que aconteceu com o meu corpo, mas, não conseguia escrever e fazer nada. Com a fisioterapia, dia após dia fui progredindo.

Fiquei 40 dias internado e 21 dias entubado, em coma induzido. Tem gente que não tem a mesma sorte de voltar para casa. Tem gente que está morrendo por conta disso.

É preciso respeitar a doença, o isolamento. Não é brincadeira. É uma doença nova, assustadora e está aumentando, e as pessoas precisam respeitar o distanciamento.

Temi a Covid-19 sim, mas na hora entreguei minha vida para Deus, que é o maior salvador. Ali senti uma paz muito grande. Temi ficar internado.

A gente tem medo de acontecer alguma coisa ruim, de como seria se não voltasse para casa. Tinha entregado à vida para Deus e senti uma paz dentro de mim e senti que ia voltar. Deus estava comigo o tempo todo.

Os piores momentos foram quando estava entubado. Tive uma infecção, uma recaída e quase fiz uma traqueostomia.

O médico também teve fé. E a fé moveu a doença de mim, e isso repercutiu de uma forma que não esperava na internet.

A Covid afasta, deixa a gente longe das pessoas, não podemos dar um abraço, dar um beijo. A gente é carente disso e não sabe. Por isso, foi muito importante poder fazer videochamada e ver minha família. Agora, para os meus companheiros de trabalho, eu não tenho o que dizer, não tenho como explicar, é muito amor.

Esperava que um colega viesse e falasse que vai ficar tudo bem, mas foi diferente, fora do normal. A atitude deles comigo foi coisa de Deus.

A única coisa que posso dizer para todos é: tenham fé, calma e paciência..

 

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.