Professor da Unitau pesquisa teste para diagnosticar Covid

Estudo adapta técnica inovadora na saúde para identificar o coronavírus e conta com pesquisadores do Brasil e da Inglaterra

Xandu [email protected] | @jornalovale

A testagem em massa é um dos instrumentos mais eficazes no combate à Covid-19, no entanto que esbarra na falta de testes e de insumos.

O cirurgião-dentista e professor da Unitau (Universidade de Taubaté) Luis Felipe das Chagas e Silva de Carvalho está envolvido numa pesquisa inovadora para oferecer alternativa ao diagnóstico da doença.

Ao lado de pesquisadores do Brasil e também da Inglaterra, ele se debruça na utilização da técnica de espectroscopia vibracional, que já usa para identificar câncer, para o diagnóstico da Covid-19.

Ao Gabinete de Crise, ele fala sobre a pesquisa e os benefícios do método. Veja:

O que é a espectroscopia?

Envolve uma gama de técnicas com propriedades ópticas. É a interação da luz com a matéria. A espectroscopia vibracional e a absorção do infravermelho, que é mais específico ainda, consegue ver alguns modos vibracionais que ocorrem num fenômeno físico, e este pode mostrar características de uma determinada coisa. A Polícia Federal usa muito esse equipamento para ver características de drogas, por exemplo. Lá atrás, eu e diversos grupos de pesquisadores testamos a técnica na área médica.

E quanto à Covid?

Como usamos essa tecnologia para uma série de patologias na saúde, com a pandemia começamos a pensar em usá-la para diagnóstico da Covid-19. E aí começamos o trabalho de pesquisa, que une vários grupos no Brasil e pesquisadores no exterior.

Em que fase vocês estão?

Estamos definindo qual o melhor tipo de coleta do material para identificar a doença, se pelo nariz ou pela boca, por exemplo. Já estamos rodando alguns testes preliminares e queremos chegar até o final de julho com 2.000 pacientes coletados. Hoje temos cerca de 400. Vamos comparar a nossa técnica com o exame RT-PCR, que é um exame mais preciso para Covid-19. Vou fazer meu experimento e comparar o resultado com o RT-PCR. Se tivermos uma sensibilidade igual, será fantástico.

Quanto tempo ao resultado?

Três minutos para o diagnóstico. Coleto o material do paciente, coloco no cristal e uma série de programação que envolve inteligência artificial vai dar o resultado. Essa pesquisa é feita em equipe e há muita gente envolvida, com vários profissionais e um professor da Unifesp e um grupo de pesquisa da Inglaterra, que é especialista em análise de dados. Eles estão desenvolvendo uma interface para comunicar o resultado.

Qual é a meta?

Chegar num método o mais rápido possível para beneficiar a população.

Como o equipamento lê o material coletado?

O equipamento é robusto, parece uma caixa. Deposito o material coletado com o swab (cotonete para coleta de exames), pressiono e o equipamento faz a medida. É bem prático e dá para ter em aeroporto, para verificar as pessoas em viagens. Podemos levar o equipamento em vários locais. A ideia é facilidade. Se ele acertar na maior parte das vezes, teremos capacidade de fazer diagnóstico em grandes populações.

Quanto custa o equipamento e qual expectativa de prazo?

O equipamento não está sendo usado na saúde, e a gente que o trouxe para essa área. O preço deve baratear. Hoje custa na faixa de R$ 100 mil a R$ 120 mil. Mas pode ajudar muita gente e não preciso de nenhum reagente para o teste, não há gastos com consumíveis ou preparação da mostra, o que é uma grande vantagem. Com a popularização da técnica, o preço vai cair. O exame pode ser bem barato. Há grandes indícios de que a técnica será eficiente e creio que em três semanas teremos resultados bem concretos.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.