'Estamos brincando com a morte. O papa tem a preocupação de pai', afirma ex-reitor do Santuário

Padre Domingos Sávio da Silva, um dos porta-vozes da Basílica, disse que o país parece não se importar com as mortes por Covid-19: "Impressão de que estamos brincando com a morte"

Xandu [email protected] | @jornalovale

A Igreja Católica está preocupada com a situação no país, que enfrenta a mais grave crise sanitária em 100 anos com consequências profundas na vida da nação, que vive ainda uma grave crise política.

Capital da fé no Brasil, o Santuário Nacional de Aparecida é um porto de esperança e ânimo nesses tempos conturbados e não se furta a acalentar o povo sofrido.

"A solução que o vírus parece exigir é que tenhamos um cuidado cada vez maior com a gente mesmo e principalmente com nossos irmãos e irmãs, sobretudo os mais fragilizados", disse o padre Domingos Sávio da Silva, missionário redentorista e reitor do Santuário Nacional durante a visita do papa Francisco a Aparecida, em 2013.

Nesta semana, Francisco ligou para a Basílica e conversou com dom Orlando Brandes, arcebispo de Aparecida, deixando uma mensagem de encorajamento aos brasileiros.

Em entrevista, o sacerdote fala de fé, Covid e do descaso com o número de mortes.

Como avalia a ligação do papa para o Santuário?

A comunicação do papa Francisco com a nossa arquidiocese, por meio do arcebispo dom Orlando Brandes, mas certamente querendo falar para todo o Brasil, foi como o cuidado de um pai. Tenho impressão de que estamos brincando com a morte, não só no Brasil, mas em outras partes do mundo. O Brasil está com mais de 1.200 mortes diárias e parece que está tudo normal. A vida corre do mesmo jeito, o Brasil se abrindo numa hora em que o país ainda nem atingiu o pico da doença. Dá a impressão de que estamos brincando com a morte. O papa se mostra como um pai que valoriza a vida dos seus filhos e quer dar mais um alerta para nós, a preocupação que ele tem e, quem sabe, nos acordar para o que estamos vivendo, que é um drama humano.

O papa está preocupado?

Penso que sim. Ele já esteve aqui na região e tem conhecimento e deve estar sabendo que estamos no segundo lugar em número de casos no mundo, atrás dos Estados Unidos. Daqui a pouco seremos o país que vai estourar em número de mortes. O papa demonstra a preocupação de um pai.

Como o sr. vê a pandemia?

Estamos brincando com a morte. Essa é a minha impressão. Poderia ser 3.000, 4.000 mortes por dia que parece que não muda nada. A quantidade de mortes parece que não afeta, principalmente para quem poderia tomar essas atitudes.

O que a pandemia revela?

Revela para todo o mundo a fragilidade nossa. Um vírus que não conhecemos direito e que está arrasando. Por outro lado, a solução que o vírus parece exigir de nós é que tenhamos um cuidado cada vez maior com a gente mesmo e principalmente com nossos irmãos e irmãs, sobretudo os mais fragilizados. Se não assumimos isso, entramos nessa onda de assassinato. Podemos assassinar pela falta de cuidado que temos com a gente mesmo e com nossos irmãos.

Como o povo deve agir?

O único remédio que a OMS recomenda e que tem um efeito bastante grande é o distanciamento. Penso que seja o que a OMS, que entende da situação, pode nos ensinar e que gostaríamos que todos nós aprendêssemos, sobretudo quando ainda estamos numa linha de ascendência de casos e consequentemente de mortes no Brasil.

Mensagem de Aparecida?

Nossa Senhora é a mãe e também muito preocupada com o Brasil, que assumiu como padroeira, mãe e rainha. Nós queremos, através do Santuário, aquele olhar cuidadoso e preocupado da mãe tentando conscientizar de que esse cuidado que ela tem depende de nós também. Temos que assumir cada vez mais esse coração de Nossa Senhora.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.