Letalidade em oito cidades do Vale supera a média do país

Municípios do Vale do Paraíba têm taxa de letalidade para a Covid-19 mais alta do que a registrada no Brasil (6,9%), que é a 11ª mais alta do mundo; São Sebastião tem menor taxa

Xandu [email protected] | @jornalovale

Oito cidades do Vale do Paraíba têm taxa de letalidade para a Covid-19 mais alta do que a registrada no Brasil, de 6,9%, que por sua vez é a 11ª maior do mundo, entre as 20 nações com mais mortes registradas em decorrência do novo coronavírus.

A letalidade relaciona o número de pessoas contaminadas por coronavírus e aquelas que vieram a óbito.

De acordo com levantamento da Fundação Seade, São Luiz do Paraitinga é a cidade do Vale com a maior taxa de letalidade (100%), com um caso confirmado e uma morte.

O município de 10,6 mil habitantes está no grupo das 11 cidades paulistas com 100% de letalidade para a Covid-19. Abaixo dele, estão as cidades de Santo Antônio do Pinhal (letalidade de 25%), Santa Branca (25%), Lavrinhas (16,7%), Cruzeiro (15,4%), Jacareí (8%), Lorena (7,4%) e Pindamonhangaba (7,1%).

Todas essas cidades têm taxa de letalidade acima da média nacional, que é superior, por exemplo, à mortalidade registrada nos Estados Unidos (6,1%), atualmente o país com mais casos e mortes por Covid-19 no mundo, respectivamente 1,41 milhão de infectados e 85,8 mil óbitos.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), a Bélgica tem a maior taxa de letalidade do mundo atualmente, com 16,4%: 54,2 mil casos de Covid-19 e 8,9 mil mortes.

O Brasil registrava 202,9 mil casos e 13,9 mil mortes até quinta-feira (15), segundo balanço do Ministério da Saúde.

TESTES.

Se o número de mortes no mundo for relacionado ao número de casos registrados oficialmente, a Covid-19 mata em torno de 6% dos pacientes -4,42 milhões de infectados com 301,7 mil mortes no planeta até quinta (15).

Segundo epidemiologistas, a mortalidade do coronavírus deve girar em torno de 1%, mas a pouca quantidade de testes para verificar o número real de contaminados eleva a taxa a índices estratosféricos, como em cidades da região.

"O mundo inteiro tem esperado letalidade em torno de 1% para Covid-19, não tem como fugir muito disso", explicou Paulo Barja, professor da FEAU (Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo) e da FEA (Faculdade de Educação e Artes), ambas da Univap (Universidade do Vale do Paraíba).

Na Coreia do Sul, por exemplo, um dos países que realizou testes em massa da população, a mortalidade é de 2,4%, com 11 mil casos e 260 mortes. No Vale, com 1.164 infectados e 49 mortes confirmadas, a letalidade é de 4,2%.

Com mais de 6.000 testes, São Sebastião tem menor índice em toda a região (0,7%)

Com 6.131 testes rápidos para Covid-19, segundo a prefeitura, São Sebastião tem a menor taxa de letalidade do Vale do Paraíba (0,7%), com 268 casos confirmados e duas mortes por coronavírus. O município é o segundo com mais casos confirmados na região, perdendo para São José dos Campos, que tem 409 infectados e 18 mortes, taxa de letalidade de 4,4%. Outras cidades do Vale têm índice variável de mortalidade: Taubaté (6,5%), Caçapava (6,3%), Caraguatatuba (5,8%), Guaratinguetá (4,2%) e Ubatuba (2,6%).

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.