Isolamento ajuda a salvar mais de 125 mil vidas no Vale, diz estudo

Xandu [email protected] | @jornalovale

O isolamento social adotado no Vale do Paraíba até o momento tem sido capaz de evitar o colapso do sistema de saúde nas cidades e salvar milhares de vida, além de evitar cenas dramáticas como as vistas em Manaus e Belém, com hospitais e cemitérios lotados. Pelo menos até agora.

Estudo de pesquisadores do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) mostra que, se a região não tivesse tomado nenhuma medida de isolamento social, o número de casos de Covid-19 poderia ultrapassar os 130 mil quando do pico da pandemia, no mês de setembro deste ano.

Com as restrições impostas pela quarentena em São Paulo, prorrogada até 31 de maio, a análise do ITA mostra que os casos poderão ser muito mais baixos, com o número de infectados atingindo pico de 4.200 ainda em maio. Até sábado (9), a região registrava 884 casos confirmados.

Ou seja, o isolamento social, que é alvo de críticas no Vale, será capaz de evitar risco para mais de 125 mil vidas na região, população superior a de 35 cidades da região.

COLAPSO.

Sem qualquer medida de contenção, o sistema de saúde do Litoral Norte teria entrado em colapso a partir de 3 de maio, segundo a avaliação dos pesquisadores do ITA.

Mais populosa do Vale, a sub-região de São José dos Campos seria a segunda a colapsar, em 12 de maio. As outras também paralisariam por falta de atendimento a pacientes com Covid-19: Guaratinguetá (17 de maio) e Taubaté (13 de junho).

"Nota-se também, neste caso, que o colapso ocorreria muito antes de se ter atingido o pico de infectados, previsto, na simulação, para ocorrer entre os meses de agosto e setembro. Isso implicaria em um quadro ampliado de agravamento da crise, com o sistema de saúde estrangulado por mais de 3 meses", apontam os pesquisadores.

"O resultado das medidas de contenção adotadas na RMVale, notadamente o regramento adotado pelo estado de São Paulo, reflete uma redução na taxa de reprodução da Covid-19 na região", dizem os pesquisadores.

E concluem: "Com base nas simulações, os sistemas de saúde da RMVale dificilmente seriam capazes de atender a demanda de pacientes em um cenário sem contenção".

No entanto, eles deixam um alerta. As medidas de contenção precisam continuar e ser reforçadas para reduzir ainda mais a taxa de contágio..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.