Produção das pílulas de Frei Galvão fica paralisada durante a pandemia

Marcos Eduardo Carvalho | [email protected]

A pandemia do novo coronavírus mudou a rotina de quase todas as pessoas, no mundo inteiro. E, para os devotos de São Frei Galvão, de Guaratinguetá, não é diferente. Por conta da quarentena imposta para tentar conter o avanço da doença, a produção das tradicionais pílulas de Frei Galvão, em Guaratinguetá, está parada. As pílulas, que são entregues juntas com uma oração, ajudam a impulsionar o turismo religioso no Vale Histórico.

Thereza Maia, diretora do Museu e da Casa Frei Galvão, disse que no momento nada está sendo feito – inclusive a casa e o museu estão fechados, desde o dia 17 de março. “Está tudo parado. Não tem ninguém para fazer e ninguém para entregar”, disse a historiadora.

Segundo ela, são produzidas entre 5 mil e 10 mil pílulas por semana – antes da pandemia. Assim, como já são três semanas sem produção por conta da quarentena, mais de 30 mil pílulas deixaram de ser produzidas.

Em Guaratinguetá, a pílula é produzida manualmente na Catedral de Santo Antônio, Mosteiro Irmandade Conceição em Guaratinguetá, Santuário Frei Galvão e também no Seminário Frei Galvão e os pedidos podem ser feitos tanto pessoalmente ou por cartas. Após a canonização dele pelo Papa Bento 16, em 2007, a pílula começou a ser produzida também no Mosteiro da Luz, em São Paulo.

As pílulas, que devem ser distribuídas gratuitamente aos devotos, costumam ser produzidas por voluntários e também pelas freiras e são distribuídas gratuitas para as pessoas. “Geralmente, quem pede a pílula são pessoas com problemas de saúde e problemas espirituais”, disse a historiadora.

Segundo Thereza Maia, muitas pessoas de fora também costumam pedir as pílulas. “Muitos vêm de ônibus e levam para os familiares. Tem gente do país inteiro e até mesmo do exterior”, conta.

Por ano, estima-se que cerca de 2 milhões de pessoas peçam as pílulas de São Frei Galvão, em Guaratinguetá.

HISTÓRIA.

De acordo com a tradição católica, um homem aflito procurou Frei Galvão pedindo ajuda para sua esposa que estava em trabalho de parto e correndo risco de vida. Sem saber como poder ajudar, o Frei escreveu a frase em três pequenos papeis e deu para que o homem levasse a sua esposa. A mulher ingeriu as pílulas e a criança nasceu normalmente. Frei Galvão nasceu em 1.789, em Guaratinguetá, e morreu em São Paulo, em 1.822. Desde então, as pílulas passaram a ser bastante procuradas.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 8,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.