RMVale tem 43 mil pessoas vivendo em áreas de risco

Levantamento do Cemaden e da Defesa Civil revela panorama preocupante, com locais para desabamento e inundação

Em torno de 43 mil pessoas vivem em áreas de risco no Vale do Paraíba, de acordo com o levantamento do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais) e da Defesa Civil.

Essas pessoas ocupam 14 mil moradias instaladas em áreas consideradas de risco para deslizamentos ou alagamentos, ou ambos.

As residências estão espalhadas em 927 setores de risco -- menos abrangentes do que as áreas --, sendo que 331 deles estão classificadas como de risco “muito alto” e “alto” (36%) para deslizamentos ou alagamentos e 596 (64%), como de risco “médio” e “baixo”.

Essas áreas pertencem a 13 cidades, entre elas Campos do Jordão, Guaratinguetá, Aparecida, Ubatuba e São José dos Campos, municípios apontados como de maior número de moradores em locais de risco.

Em Campos, há duas semanas, deslizamentos de terra nos bairros Monte Carlo e Vila Britânia provocaram a morte de quatro pessoas. Um bebê e uma criança de 5 anos estão entre as vítimas. “Nossos profundos sentimentos de pesar às famílias que perderam seus entes queridos. Vocês não estão sozinhos”, disse o prefeito Fred Guidoni (PSDB).

CIDADES.

Com 169 setores de risco, Campos do Jordão tem a maior quantidade de moradias e população nessas áreas, respectivamente 2,9 mil e 10 mil -- levando-se em consideração a média de três moradores por casa.

Segundo a prefeitura, a cidade tem 175 áreas de risco, que abrigam 3.500 famílias. Guaratinguetá vem em seguida, com 172 setores de risco e 2,8 mil casas e 9,6 mil pessoas vivendo nessas áreas.

São José dos Campos conta com 77 setores de risco, 1.250 moradias e 4,2 mil moradores em áreas inadequadas. As equipes de monitoramento usam tecnologia de ponta para alertar as cidades e evitar mortes.

“Temos todo tipo de informação: imagem de satélite, radares, pluviômetros e rede de observação de descargas atmosféricas. Cada um na equipe tem sua especialidade e, analisando os dados, chega-se a

consenso quanto ao potencial de uma chuva causar fenômenos graves”, explicou o meteorologista Saulo Barros Costa, tecnologista do Cemaden da equipe de Extremos Meteorológicos.

Todo trabalho tem por base o monitoramento das chuvas, e quais os danos causados pela precipitação, como enchentes, enxurradas e deslizamentos.

Ao se detectar risco de danos com as chuvas, por protocolo, o Cemaden avisa o Cenad (Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres), que emite alerta à Defesa Civil.

No Vale, segundo o coronel Walter Nyakas Júnior, secretário-chefe da Casa Militar e coordenador estadual da Defesa Civil, todas as cidades são acompanhadas diariamente por suas respectivas equipes de Defesa Civil, que recebem reforço de voluntários durante a temporada de chuvas.

Em situações de chuva extrema, como no verão, o monitoramento é ampliado. Áreas de risco são regiões onde é recomendada a não construção de casas.

Defesa Civil faz alerta para temporais; verão deve ser marcado por mais chuvas

A Defesa Civil do Estado de São Paulo divulgou um alerta para chuvas intensas em todas as regiões paulistas neste final de ano. Há possibilidade de temporais com descargas elétricas e rajadas de vento. As chuvas podem atingir com mais intensidade as regiões do Litoral Norte e Vale.

Devido ao mau tempo, segundo a Defesa Civil, aumentam as chances de deslizamentos e inundações. Em situações iminentes de emergência, o órgão recomenda que a população deixe imediatamente as localidades em risco e procure abrigo em regiões seguras.

No estado, o verão deve ter temperaturas elevadas, fortes chuvas e chance de temporais e ondas altas, principalmente pela passagem de frentes frias, que devem ser mais frequentes.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.