União cancela compra de R$ 3 bilhões após denúncias que envolve empresa de Taubaté

Controladoria-Geral da União apontou irregularidades em licitação para compra de computadores, notebooks, projetores e lousas digitais, da qual participava a Daruma

Xandu [email protected] | @xandualves10

A CGU (Controladoria-Geral da União) apontou irregularidades em licitação de R$ 3 bilhões do MEC (Ministério da Educação) e recomendou a suspensão do pregão, da qual participava a empresa Daruma Telecomunicações Informática S/A, de Taubaté.

Seriam comprados equipamentos de informática para abastecer escolas de todo o país, com recursos do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).

Após a denúncia, a licitação foi suspensa. Segundo o FNDE, o edital está sendo refeito para corrigir os desvios.

A contratação fazia parte do 'Programa Educação Conectada', que iria adquirir computadores, notebooks, projetores e lousas digitais para alunos das redes públicas de ensino estaduais e municipais.

A Daruma concorria com o computador interativo -- kit com notebook, projetor e lousa digital-- e a CGU apontou "indícios de relacionamento" com outra empresa da licitação, a Movplan Infraestrutura e Tecnologia Educacional.

Diz o relatório: "Na pesquisa de preços foram obtidas somente duas cotações para os computadores interativos e somente três cotações para as estações de recarga. Cita-se a semelhança nos orçamentos para computador interativo apresentados pela Daruma e o orçamento apresentado pela Movplan para as estações de recarga, que contêm inclusive o mesmo erro de concordância gramatical no texto".

A carta enviada pelas empresas ao MEC tem a mesma data (24 de julho de 2019), Taubaté como procedência, embora a Movplan seja de Ribeirão Preto, e utilizam o mesmo texto de referência, com erro de concordância gramatical: "(...) que se façam necessária".

Para a CGU, "há o risco de algumas das propostas, aceitas pelo FNDE, serem fictícias ou terem sido realizadas em conluio entre as empresas, o que compromete a lisura da pesquisa de preços".

A CGU também não viu comprovação se a compra do kit seria mais barata do que os itens separados, além de reduzir a competitividade da licitação, pois há poucas empresas oferecendo o produto.

Além disso, a CGU constatou que 355 escolas demandaram mais laptops do que seu número real de alunos. Em uma delas, em Itabirito (MG), a média era de 117 laptops por aluno.

FNDE suspende licitação e refaz edital após denúncia; Daruma não responde

Procurada, a Daruma não respondeu a OVALE. Também nenhum representante da Movplan foi localizado.

O FNDE informou que a licitação foi suspensa e que o edital está sendo refeito. A decisão foi da nova gestão do órgão, do advogado Rodrigo Dias, que assumiu a autarquia ligada ao MEC em 2 de setembro.

"O processo de licitação, iniciado há duas gestões, foi suspenso preventivamente no dia 4 de setembro de 2019 pela nova gestão do FNDE. A medida foi tomada para que fosse feita análise dos questionamentos ao edital." Informou ainda que a "etapa de oferta de lances e de seleção de empresa sequer chegou a ocorrer, uma vez que a licitação foi revogada ainda durante a fase de esclarecimentos e impugnações ao edital".

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.