Defensoria quer participar de abordagens com moradores do Banhado

Após governo Felicio Ramuth pedir consultas individuais com moradores, a Defensoria, por sua vez, afirmou querer participar da abordagem para garantir transparência

Thaís [email protected]_thaisleite | @_thaisleite

Após o governo Felicio Ramuth (PSDB) solicitar consultas individuais com moradores do Banhado, a Defensoria Pública e a Sociedade de Amigos de Bairro do Jardim Nova Esperança pediram para integrar o diálogo com os moradores da comunidade, em São José dos Campos.

A proposta da prefeitura é mais uma ofensiva para que os moradores da comunidade conheçam e aceitem ao programa de transferência voluntária, que após um ano em operação, registrou a saída de 37 famílias do núcleo. Recentemente, o município chegou a 'contestar' a Sociedade de Amigos do Bairro e afirmar que mais pessoas poderiam ser favoráveis ao programa.

De acordo com a Defensoria, o pedido para participação da abordagem foi necessário para que a conversa com os moradores ocorra com lisura.

"Como a prefeitura usa táticas agressivas, pressiona, usa do medo, e já que a prefeitura quer fazer essa consulta familiar, a condição é a de que a Defensoria participe disso, para que tudo seja feito de forma transparente", disse o defensor José Luis Simão.

No processo, a Defensoria ainda pede para que o governo opte por retirar a ação civil em que pede pela reintegração de posse caso a maioria dos moradores negue à proposta de saída durante a realização da consulta individual.

"Vamos ter uma resposta efetiva para os moradores, já que a prefeitura colocou isso em xeque", continuou, Simão.

Em nota, a prefeitura informou somente que a consulta será feita às famílias que constam no levantamento feito em janeiro de 2014, e, que após a consulta, irá se manifestar judicialmente. O governo ainda não se posicionou sobre o pedido de retirada da ação de reintegração de posse.

TRANSFERÊNCIA.

O programa oferece R$ 5 mil para cada família que deixar o Banhado e demolir o imóvel -- R$ 2.300 para mudança e R$ 2.700 para demolição --, além de um auxílio-moradia de até R$ 700 mensais..

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 7,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.