Pandemia avana para o Vale da F, capital catlica do pas e que rene cidades mais frgeis da regio

Maior crise sanitria em 100 anos avana pela capital da f, regio com mais municpios mdios e pequenos e com infraestrutura mais frgil de atendimento sade na RMVale

Xandu Alves | @xandualves10

A pandemia e a fé.

Maior crise sanitária e de saúde em 100 anos, a epidemia do novo coronavírus avança ferozmente para o Vale da Fé, região símbolo e capital da fé católica no Brasil.

Também é área com mais municípios médios e pequenos e com infraestrutura mais frágil de atendimento à saúde.

Maior parte das cidades não conta com leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), indispensáveis para cuidar de pacientes graves por Covid-19.

“A gente sabe que o Vale Histórico tem um aumento no número de casos diferente aqui do Alto Paraíba e também do Litoral Norte. A região de Taubaté também tem condição melhor que o Vale da Fé. Vamos acompanhando esses dados”, disse Marco Vinholi, secretário estadual de Desenvolvimento Regional.

“Há cidades sem nenhum caso e que passaram a ter vários”, afirmou Victor de Cassio Miranda (PSDB), o ‘Vitão’, presidente da RMVale e prefeito de Paraibuna.

Mesmo contando com abundância de fé, principalmente a popular, prefeitos do Vale Histórico sabem que apenas crença não basta para enfrentar o coronavírus. Também é preciso crer na ciência.

Os pequenos municípios estão tomando medidas impopulares, mas necessárias, de manter mais restrições do que as permitidas pelo governo estadual, no Plano São Paulo.

“Não é hora de relaxar, e sim de continuarmos nos prevenindo, nos cuidando e nos mantendo atentos”, diz postagem da Prefeitura de São José do Barreiro nas redes sociais.

De um único caso confirmado há duas semanas, a cidade de pouco mais de 4.000 habitantes viu o número de contaminados subir para cinco e depois para 11, maior aumento percentual da região (120%) em sete dias.

Na vizinha Bananal, os 10,8 mil moradores viram a doença passar de 72 para 133 infectados em duas semanas, impactando fortemente a rede de saúde, que depende de cidades de referência para o atendimento.

Com isso, o prefeito Carlindo Nogueira Rodrigues (PDT) estendeu até 16 de agosto o decreto que recua a cidade para a fase vermelha do Plano São Paulo, barrando comércios não essenciais, mesmo com a região na fase amarela. A restrição começou em 4 de agosto.

Os 13 mil habitantes de Queluz estão sem atividades de setores não essenciais da economia para tentar conter o avanço da doença. A cidade também recuou para a fase vermelha depois que os casos subiram de 141 para 182 em 14 dias.

Além das cidades do Vale Histórico, outras abriram mão da reabertura permitida pelo Plano São Paulo e seguem na fase laranja, casos de Lorena, Guaratinguetá e Piquete, também por conta do aumento do número de casos e de nortes.

A preocupação faz sentido.

Nas últimas seis semanas, as sub-regiões de Taubaté, Guaratinguetá e Cruzeiro lideram o crescimento de casos confirmados e de mortes por Covid-19 na região (leia texto nesta página). Não à toa, as regiões concentram a quase totalidade dos pequenos e médios municípios do Vale, incluindo as do Vale da Fé..

Sub-regiões com os menores municípios lideram alta de casos e mortes no Vale

As sub-regiões de Taubaté e Guaratinguetá registram os maiores aumentos percentuais de casos confirmados de Covid-19 da RMVale, na última semana. Na sub-região de Taubaté (10 cidades), os casos passaram de 4.101 para 5.046 entre 6 e 13 de agosto ( 23%). Com nove cidades, a sub-região de Guaratinguetá relata crescimento de 21,7% (de 1.893 para 2.305. A sub-região de Cruzeiro (oito cidades) teve alta de 28%: 18 para 23 óbitos.

Nas últimas seis semanas, as sub-regiões de Taubaté e Cruzeiro lideram a alta percentual de casos positivos e a de Guaratinguetá, o de mortes.

Assinar OVALE

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi to lido. So mais de 23 milhes de acessos por ms apenas nas plataformas digitais, alm da publicao de quatro edies impressas por dia. O importante que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem lder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crtico, plural, moderno e apartidrio. Informao com credibilidade, imprescindvel para a construo de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notcia a verdade. E ns assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalstica da regio.