Raio-x da Covid mostra mudança no perfil do contágio após flexibilização no Vale

Xandu [email protected] | @jornalovale

A reabertura das atividades comerciais no Vale do Paraíba, a partir do dia 1º de junho, provocou um crescimento exponencial na Covid-19 e também mudanças no perfil dos infectados.

Depois de registrar 2.244 diagnósticos positivos até 31 de maio, mais 89 mortes, o Vale acumulou 4.835 casos e 157 óbitos em junho.

Mas julho foi pior: 10.473 casos e 326 mortes, 60% e 56% do total na região --17.552 casos e 572 óbitos, até sexta-feira (31).

O retorno de atividades comerciais, como shoppings centers, concessionárias, escritórios e imobiliárias, provocou uma mudança no perfil dos infectados por Covid-19 na região. A análise foi feita com dados das três maiores cidades --São José dos Campos, Taubaté e Jacareí--, que concentram 56% dos casos e 57% das mortes do Vale.

A maior parte dos contaminados antes da reabertura era de mulheres (67%), com 33% de pacientes homens.

Depois da liberação das atividades comerciais, a balança se equilibrou: homem 50,1% e mulher 49,9%.

A faixa etária dos contaminados também mudou.

Antes da reabertura, as pessoas entre 30 e 60 anos eram 56% do total de diagnósticos positivos, com 30% de até 30 anos e 14% acima de 60 anos.

Após as atividades comerciais, os índices passaram a 63% de contaminados entre 30 e 60 anos, com 23% de até 30 anos e 14% acima de 60 anos.

A faixa entre 30 e 60 anos aumentou a prevalência entre os infectados, caindo um pouco a de pessoas com menos de 30.

Já o perfil das pessoas que morreram praticamente não mudou com a reabertura: 62% de homens e 38% de mulheres. Antes do retorno, o percentual era de 60% (H) a 40% (M).

DIVISÃO.

A Covid-19 divide.

De um lado, São José decidiu avançar para a fase amarela do Plano São Paulo à revelia do Estado e questionando seus dados -- até ter o decreto barrado pela Justiça, na sexta-feira (31). De outro, cidades do Vale Histórico aumentam as restrições com medo do avanço da doença.

Antes afinada com o prefeito de São José, Felicio Ramuth (PSDB), para avançar o Vale à fase amarela, Taubaté recuou diante do aumento da pandemia. O prefeito Ortiz Junior (PSDB) desistiu de avançar Taubaté à fase amarela, citou aumento de 60% a 77% na ocupação de leitos de UTI e disse que é hora de “apertar o freio, e não o acelerador”.

Em Jacareí, um decreto assinado pelo prefeito Izaías Santana (PSDB) determinou o fechado dos comércios não essenciais aos finais de semana. A medida passou a valer no sábado (18).

Em Bananal, a prefeitura resolveu regredir para a fase vermelha do Plano São Paulo e barrar comércios não essenciais. As novas regras valem até 4 de agosto.

“A segunda leva parece mais grave do que a primeira, os números estão mostrando para a gente. Estão mais altos em julho do que em junho”, disse o estatístico Paulo Barja.

Governo aponta alta de casos na região e mantém fase laranja no Plano São Paulo

O governo estadual informou que o Vale do Paraíba segue em ritmo de crescimento da Covid-19 e recomendou que os municípios mantenham a fase laranja, que impede ampliar a flexibilização.

Por decreto, a Prefeitura de São José dos Campos flexibilizou a reabertura de bares, restaurantes, salões de beleza e academias na terça-feira (28), sem aval do Estado, mas foi obrigada judicialmente a recuar.

"Vale teve crescimento de casos na semana passada, mas também de óbito, de 17% e 20%, o que manteve na fase laranja", disse o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi.

Ele negou que o problema de registro de dados no sistema do Ministério da Saúde (e-SUS), relatado por prefeitos da região, tenha sido responsável por manter o Vale na fase laranja.

"Alguns prefeitos trouxeram a dificuldade de preenchimento do e-SUS, por instabilidade no sistema, que teria retardado os registros. Mesmo com isso não houve impacto comprovado que levasse [a região] para a fase amarela. Indicamos para que possa seguir na fase laranja".

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.