Relaxamento do isolamento pode agravar pandemia, apontam especialistas

Pesquisadores apontam que a 'imunidade de rebanho' poderia ser alcanada com 20% da populao infectada e que relaxar antes disso pode causar aumento de casos da Covid-19

Xandu Alves | @xandualves10

Estudo estima que o limiar de imunidade coletiva ao novo coronavírus (imunidade de rebanho) pode ser alcançado em uma região se 20% da população for infectada. No Vale do Paraíba, o percentual equivale a 500 mil pessoas e região tem 17,5 mil infectados, segundo números oficiais. Se a quantidade de contaminados for 10 vezes maior, como indicam alguns estudos, a região chegaria a 175 mil pessoas com a Covid-19.

De acordo com os pesquisadores, se a projeção se confirmar, a taxa de contágio apresentaria queda.

Primeiro porque significa que é pequeno o risco de ocorrer uma segunda onda avassaladora da pandemia nos países que adotaram medidas para conter a disseminação da Covid-19 e hoje já registram queda no número de novos casos.

Em segundo lugar porque indica ser possível para uma cidade, estado ou país alcançar o limiar de imunidade coletiva mesmo tendo adotado medidas de distanciamento social que ajudam a evitar o colapso do sistema de saúde e a minimizar o número de mortes.

"Nosso modelo mostra que não é preciso sacrificar a população deixando-a circular livremente para que a imunidade coletiva se desenvolva", disse a biomatemática portuguesa Gabriela Gomes, em entrevista à Agência Fapesp (Fundação de Apoio à Pesquisa de São Paulo). O modelo matemático ao qual a pesquisadora se refere foi desenvolvido em colaboração com cientistas do Brasil, Portugal e Reino Unido.

Entre os coautores do artigo estão Marcelo Urbano Ferreira, professor do ICB-USP, o Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo.

"Temos trabalhado juntos com Gabriela Gomes há alguns anos usando essa abordagem para descrever a dinâmica de transmissão da malária na Amazônia brasileira. O modelo é diferente dos demais, pois leva em conta o fato de que o risco de contrair uma determinada doença varia de pessoa para pessoa", explicou Ferreira.

Gomes disse que os fatores que influenciam o risco de contágio para Covid podem ser divididos em duas categorias. Em uma delas estão os de ordem biológica, como a genética, a nutrição e a imunidade. Na outra se inserem os fatores comportamentais, que determinam o nível de contato com outras pessoas que cada um de nós tem no cotidiano.

"Isso tem relação com o tipo de ocupação, o local de moradia, os meios de deslocamento e até o perfil de personalidade. Uma pessoa que prefere ficar em casa lendo um livro tem um risco menor de se expor ao vírus do que quem sai com muita frequência e se relaciona com muitas pessoas."

De acordo com Gomes, os modelos que estimaram o limiar de imunidade ao coronavírus variando entre 50% e 70% consideram que o risco de infecção é o mesmo para todos os indivíduos.

"Temos visto que, no caso da Covid-19, quanto maior é o grau de heterogeneidade da população, mais baixo se torna o limiar da imunidade de grupo", disse Gomes.

Para os pesquisadores, se as medidas de distanciamento forem relaxadas antes de a imunidade coletiva ser alcançada, os casos podem voltar a subir..

Assinar OVALE

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi to lido. So mais de 23 milhes de acessos por ms apenas nas plataformas digitais, alm da publicao de quatro edies impressas por dia. O importante que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem lder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crtico, plural, moderno e apartidrio. Informao com credibilidade, imprescindvel para a construo de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notcia a verdade. E ns assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalstica da regio.