Universidade de Washington projeta que 125 mil pessoas devem morrer vtimas da Covid-19 no Brasil at agosto

Em um cenrio mais negativo, nmero de bitos pela doena no pas podem passar dos 200 mil, chegando a 221 mil vtimas do novo coronavrus no Brasil

O vírus mortal ataca.

De acordo com a Universidade de Washington, ao menos 125 mil pessoas devem morrer vítimas da Covid-19 no Brasil até o começo de agosto.

Há menos de duas semanas, a mesma universidade estimava que esse número seria de 90 mil pessoas. Até agora, o país acumula 27 mil mortes pelo novo coronavírus.

A estimativa mais otimista aponta 68 mil mortes. No cenário mais negativo, o número de óbitos no país pode chegar a 221 mil vítimas.

Segundo o estudo, as novas previsões levam em conta o aumento de mortes acima do esperado no Rio de Janeiro. A análise inclui agora dados de 19 dos 26 estados brasileiros.

Em relação à última projeção divulgada pela universidade, em 12 de maio, São Paulo pode ter poupado a vida de 36,8 mil pessoas com o isolamento social e o megaferiado da última semana.

Já no Rio, a situação é inversa e os pesquisadores esperam que mais 21 mil mortes por Covid-19 aconteçam no estado em relação ao que era projetado até o dia 12, totalizando até agosto 25,7 mil óbitos.

Para piorar a situação, o país está com seu terceiro ministro da Saúde em meio à pandemia. Os dois anteriores deixaram o governo por discordar das ações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que critica o isolamento social, não segue orientações básicas da OMS (Organização Mundial da Saúde), como evitar aglomeração, e entrou em conflito com prefeitos e governadores.

Não à toa, o Brasil segue acelerado para tornar-se o epicentro mundial da doença, superando os Estados Unidos, que ainda têm mais casos e mortes. O Brasil supera os americanos na quantidade de casos e óbitos registrados por dia.

PICO.

“Até então, estamos prevendo que o número de mortes no Brasil continuará a subir, seguirá havendo escassez de recursos hospitalares críticos e o pico de mortes poderá não ocorrer até meados de julho”, disse Christopher Murray, diretor do Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde da Universidade de Washington.

Os pesquisadores ressaltam que tudo vai depender das medidas de controle da pandemia, como o distanciamento social, mudanças na mobilidade e a realização de testes e rastreamento em massa da doença.

Para chegar às projeções, os pesquisadores tomam como base as políticas públicas aplicadas pelo governo de cada país e os dados oficiais divulgados, como número de infectados e internados. O governo americano tem utilizado as projeções da universidade para tomar algumas decisões.

CIÊNCIA.

Raul Borges Guimarães, coordenador do Laboratório de Biogeografia e Geografia da Saúde da Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Presidente Prudente, disse que a ciência vem dando uma grande contribuição para enfrentamento da Covid-19. “Nenhum país do mundo conseguiu enfrentar essa pandemia sem união de todos e compreensão do fenômeno em bases científicas”, disse.

Ao lado da ciência, ele defende que gestores ouçam e respeitem as “famílias que sofrem com problema, os profissionais de saúde que estão desenvolvendo sua atividade em situações de extremo risco e as necessidades dos empresários”.

Assinar OVALE

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi to lido. So mais de 23 milhes de acessos por ms apenas nas plataformas digitais, alm da publicao de quatro edies impressas por dia. O importante que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem lder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crtico, plural, moderno e apartidrio. Informao com credibilidade, imprescindvel para a construo de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notcia a verdade. E ns assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalstica da regio.