Logo Jornal OVALE

Autópsia dos homicídios na RMVale, a capital do crime em São Paulo

No Vale do Paraíba, região mais violenta do estado, homicídios dolosos têm como principais vítimas homens jovens, de baixa escolaridade, brancos, estudantes e solteiros

A violência tem suas preferências. No Vale do Paraíba, capital da violência em São Paulo, os homicídios dolosos têm como principais vítimas homens jovens, de baixa escolaridade, brancos, estudantes e solteiros.

Esse é o perfil mais comum dos que foram assassinados na região no primeiro trimestre deste ano, segundo levantamento de OVALE com dados da SSP (Secretaria de Estado da Segurança Pública) de São Paulo.

A 'autópsia do crime' revela os desafios que autoridades de segurança, governos e sociedade civil têm que enfrentar para reduzir a violência entre os mais jovens.

Especialistas defendem investimentos maciços em educação, preparação para o mercado de trabalho e inserção social, especialmente pela via da cultura.

"O Estado tem que ocupar as periferias, levando opções para os jovens. Se não for assim, o crime pode recrutá-los", explica José Vicente da Silva Filho, ex-secretário nacional de Segurança Pública e coronel aposentado da Polícia Militar.

Conhecedor da realidade do Vale, Silva Filho sabe do que fala.

Da ausência do Estado em bairros populares como Jardim São José 2, nos fundos da região leste de São José, nasceu um território ocupado por traficantes e o crime organizado, com forte atuação de jovens e alto índice de mortes. Não à toa, o bairro é apelidado entre os policiais como 'CDD' ou Cidade de Deus.

Traçar o perfil das vítimas de homicídios é uma maneira de iniciar a discussão sobre como resolver o impasse da violência, principalmente aquela que dramatiza a vida de centenas de famílias na região, barbarizadas com a morte prematura de adolescentes e jovens adultos.

Diante do choro de uma mãe sobre o caixão de um filho, não há estatística que explique a violência. É preciso ultrapassar os números e trabalhar com a pessoa humana, em toda a sua integralidade e contradições. OVALE quer inspirar esse debate sobre a tragédia das mortes, suas causas e consequências.

LEIA MAIS: Jovem e sem estudo: perfil do maior alvo da violência no Vale

LEIA MAIS: Dados oficiais revelam 'raio-x' de mortes em confronto com a polícia