Por outros dias assim

Em pleno Dia da Mentira, Bolsonaro e Moro admitiram a inveracidade de duas fake news recentes ditas por eles

Parece cedo demais para falar em luz no fim do túnel. Afinal, levando-se em consideração que o atual governo chegou ao poder após uma eleição marcada por uma enxurrada de fake news, e que esse péssimo hábito foi mantido nos primeiros 15 meses de mandato, é difícil acreditar que, em um simples passe de mágica, tudo iria mudar.

Mas acredite, pois é verdade: em pleno dia 1º de abril, Dia da Mentira, importantes lideranças do governo Bolsonaro se desculparam por mentiras recentes que contaram.

O primeiro exemplo partiu do próprio presidente, que pela manhã compartilhou um vídeo com informações falsas sobre um suposto desabastecimento na Ceasa (Central de Abastecimento) de Belo Horizonte, que teria sido causado por medidas de contenção ao novo coronavírus. O vídeo, com críticas a governadores, acabou deletado após a informação ter sido desmentida pela imprensa. Mais tarde, em entrevista à Band, Bolsonaro pediu desculpa por publicar uma fake news. "Quero me desculpar publicamente, foi retirado o vídeo. A gente erra na notícia e eu tenho a humildade em me desculpar".

O outro exemplo envolveu o ministro de maior prestígio do governo, Sergio Moro, da Justiça. Na terça, o ex-juiz afirmou, em coletiva de imprensa, que um homem preso no Rio Grande do Sul com uma grande quantidade de drogas e fuzis estava em casa porque tinha sido liberado da prisão devido à pandemia do novo coronavírus. Nessa quarta, após o portal G1 mostrar que o relato não era verdadeiro, o Ministério da Justiça admitiu que a informação passada por Moro não estava correta.

Por enquanto, ainda são raros os episódios em que o governo admite que, no esforço para justificar algum posicionamento, utilizou informações falsas. Mas esses dois exemplos de hoje mostram a importância da imprensa na checagem dos fatos. Se jornalistas não tivessem revelado que Bolsonaro ou Moro haviam mentido, eles dificilmente recuariam.

O combate às fake news ganhou recentemente o reforço das principais redes sociais do mundo, que intensificaram a caça aos boatos virtuais. Como dito antes, seria mentira dizer que a verdade prevalecerá sempre nesse governo. Mas é verdade que as mentiras contadas pela gestão Bolsonaro tiveram as pernas reduzidas.

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 8,5 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.