Brasileiros são mais resistentes a tomar vacinas contra Covid-19 da China e da Rússia, diz estudo

Agência O Globo |

Os brasileiros são mais resistentes a se vacinarem contra a Covid-19 se o imunizante for produzido pela China ou pela Rússia. É o que mostra um estudo realizado pelo Centro de Pesquisa em Comunicação Política e Saúde Pública da Universidade de Brasília (CPS/UnB).

De acordo com o levantamento, 78,1% dos entrevistados afirmaram ter alguma ou muita chance de se vacinar quando não houve indicação da origem de produção da droga. Mas a associação da substância com a China reduz em 16,4% a intenção de vacinação dos brasileiros.

Ao considerar que a produção do imunizante tenha origem russa a redução é de 14,1%. A rejeição é menor considerando que seja produzido nos Estados Estados Unidos (-7,9%) ou pela Universidade de Oxford, do Reino Unido (-7,4%).

O estudo ouviu ouviu 2.771 pessoas entre os dias 23 de setembro e 2 de outubro e também teve participação de pesquisadores da Universidade Federal de Goiás, Universidade Federal do Paraná e da Western University, no Canadá.

Cada participante foi sorteado para responder apenas uma das cinco versões da pergunta: considerando apenas uma das quatro nacionalidades da vacina  ou sem indicação de origem.

Polarização política

O estudo também mostrou que a polarização política está associada ao comportamento dos brasileiros em relação à intenção de se vacinar contra a doença provocada pelo novo coronavírus.

O levantamento aponta que, entre os que aprovam o governo Bolsonaro, apenas 27% te?m muita chance de se vacinarem se o imunizante for produzido na China. Essa porcentagem dobra (54%) entre os opositores do governo. A diferença entre os dois grupos é menor ao considerar as outras opções de origem de produção da substância.

A vacina chinesa se tornou tema de uma disputa política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo João Dória (PSDB).

Na última terça-feira (20), o Ministro da Saúde Eduardo Pazuello havia anunciado, em reunião com governadores, a intenção de adquirir 46 milhões de doses do imunizante da empresa Sinovac em parceira com o Instituto Butantan. No entanto, no dia seguinte, Bolsonaro afirmou que a Coronavac "não será comprada" pelo governo brasileiro.

Nesta segunda-feira (26), Doria afirmou que as primeiras seis milhões de doses da vacina chinesa chegarão no Brasil em até uma semana. A importação do imunizante contra a Covid-19 foi autorizada pela Anvisa, mas sua aplicação na população ainda depende da conclusão de estudos clínicos e da aprovação da agência regulatória brasileira.

O presidente da República e o governador de São Paulo também discordam sobre a obrigatoriedade da vacinação. Após Doria anunciar que o imunizante será obrigatório no estado, Bolsonaro tem se posicionado de forma contrária a decisão.

"Os testes que fizemos mostram que a polarização política tem um efeito menor para o caso de uma vacina produzida na Rússia e na?o afetou ate? aqui a receptividade dos brasileiros a vacinas produzidas nos Estados Unidos ou em Oxford", diz um dos autores do estudo, o coordenador do CPS, Wladimir Gramacho.

O pesquisador alerta ainda que "o uso da pandemia e da vacina na disputa entre as elites poli?ticas brasileiras tem sido, em si, uma ameaça à saúde pública".

Assinar OVALE é

construir um Vale melhor


OVALE nunca foi tão lido. São mais de 23 milhões de acessos por mês apenas nas plataformas digitais, além da publicação de quatro edições impressas por dia. O importante é que tudo isso vem sempre com o DNA editorial de quem é líder em todas as plataformas, praticando um jornalismo profissional, independente, crítico, plural, moderno e apartidário. Informação com credibilidade, imprescindível para a construção de uma sociedade mais livre e mais justa, em um tempo em que a democracia é posta em risco por uma avalanche de fake news. Aqui a melhor notícia é a verdade. E nós assinamos embaixo. Assine OVALE e ajude-nos a ampliar ainda mais a melhor cobertura jornalística da região.