Logo Jornal OVALE

Ilhabela estuda aumentar em 500% a taxa ambiental para controlar o turismo

Valor que custa, por exemplo, R$ 7,50 para carros, passaria para R$ 45 quando o visitante deixar a cidade, de acordo com a proposta; objetivo é reduzir poluição e degradação local

Marcos Eduardo [email protected] | @marcosovale78

Ilhabela tem 32.197 habitantes, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2015. Por ano, a cidade recebe cerca de 500 mil turistas. Receber tantos turistas acaba impactando na estrutura da ilha, que inclusive enfrenta problemas de superlotação das balsas em feriados e alta temporada - os usuários chegam a ficar sete horas na fila. Assim, em janeiro, os vereadores Luiz Paladino de Araújo, o 'Luizinho da Ilha' (PSB) juntamente com Anisio Oliveira (DEM), Nanci Zanato (PPS), Valdir Veríssimo, (PPS), Cleison Guarubela (DEM) e o presidente da Câmara Municipal de Ilhabela, Marquinhos Guti (DEM), protocolou em janeiro um projeto de Lei que visa aumentar em 500% o valor da TPA (Taxa de Preservação Ambiental) cobrada de quem visita o arquipélago e paga na saída. Atualmente, por exemplo, a taxa para quem vai à ilha de carro custa R$ 7,50 e passaria para R$ 45; moto de R$ 3 para R$ 18; veículos de excursão como vans de R$ 30 para 180 e ônibus de R$ 57 para 342. Os moradores de Ilhabela são isentos da taxa.

De acordo com Luizinho, o objetivo principal é minimizar os problemas vivenciados no município com o aumento da população seja de veranistas, turistas de meios de hospedagens ou de um dia. "Temos problemas com aumento da geração de lixo, contaminação da água das cachoeiras e das praias, degradação da flora e fauna local, aumento da demanda de energia elétrica, aumento da utilização e da necessidade de abastecimento de água potável e redução da qualidade do ar em consequência do aumento do tráfego de veículos, mas são apenas alguns dos impactos negativos gerados pelo fluxo crescente de pessoas em Ilhabela", explicou.

A propositura ainda deve ser lida durante sessão Ordinária e encaminhada para análise das Comissões Permanentes da Câmara e só depois ir para votação no plenário.

NA ESPERA.

O prefeito Márcio Tenório (MDB) disse que respeita o Poder Legislativo e que ainda aguarda receber a proposta para analisar. "Respeito a Câmara Municipal e suas iniciativas. A nossa gestão está avaliando com o Jurídico essa proposta. Defendo valores diferentes para o morador e turista. Analisarei o projeto quando ele chegar ao Executivo, visto que ele ainda não foi entregue pela Câmara à Prefeitura", afirmou, Tenório, através da assessoria de imprensa..